Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário encaminha proposta de nova estrutura para o Planejamento

18.07.2016
Da Ascom/MDSA, 11.07.16

Além da proposta de decreto da nova organização, o ministério empossou ainda o subsecretário administrativo Paulo Mendonça

O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário enviou, nesta segunda-feira (11), ao Ministério do Planejamento, proposta de decreto que organiza a nova estrutura da pasta. Para atender as demandas que incluem a incorporação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), foi empossado como subsecretário da Secretaria de Assuntos Administrativos (SAA), Paulo Roberto de Mendonça e Paula, que por muito tempo foi responsável pela logística e contratos no serviço de intendência militar do exército.

Durante cerimônia de posse, o secretário executivo Roberto Beltrame explicou que o MDSA receberá 50 mil novos funcionários vindos dos INSS. “Paulo Roberto assume hoje o cargo, com várias atribuições, como consolidar as secretarias e realocar o pessoal, além de atender as demandas já existentes na pasta. A intenção é criar um ambiente agradável para que todos possam desenvolver bem as suas atividades”, disse o secretário.

Dentre as mudanças previstas está a transferência da Secretaria Nacional de Assistência Social (SNAS) e da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (SENARC) para o edifício The Union, em Brasília. Beltrame tranquilizou os funcionários ao dizer que não faz parte de sua administração e do ministro Osmar Terra dispensar servidores. Ressaltou ainda, que conta com o apoio e dedicação de todos os trabalhadores. “Nós sabemos que nessa fase de transição fica um clima de incertezas, mas nós estamos crescendo. A nossa intenção é ampliar a equipe”.

O secretário informou que o desejo do MDSA é que a nova estrutura funcione de forma mais adequada para entregar ao cidadão o melhor produto. “Convidamos todos os servidores a trabalharem para promover a emancipação dos usuários do Bolsa família e voltar a atenção para os primeiros ciclos. Os que mais precisam de assistência hoje são pessoas que carregam marcas da primeira infância. Temos que trabalhar melhor a potencialidade nessa primeira fase da vida para que daqui 20 ou 25 anos, tenhamos jovens que não sejam, dependentes do Bolsa Família”.
******

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s