GOLPISTAS SEM MORAL: “Até que enfim a PGR resolveu investigar Aécio. Se Dimas Toledo fizer delação premiada, não vai sobrar tucano na face da Terra”, Rogério Correia

03.05.2016
Do blog  VI O MUNDO, 02.05.16
Por  Conceição Lemes

dimas e Aécio

Foi divulgado há pouco pela Folha (na íntegra, abaixo).

A PGR (Procuradoria Geral da República) enviou ao STF (Supremo Tribunal Federal) um pacote de pedidos de aberturas de inquéritos com base na delação do senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS), dentre eles duas investigações contra o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), e outra que atinge a cúpula do PMDB no Senado.

Caso o ministro Teori Zavascki determine a abertura dos inquéritos, Aécio passará a ser oficialmente investigado em desdobramento da Operação Lava Jato. São duas linhas de apuração contra o senador: uma, a suspeita do recebimento de propina de Furnas, e outra, a acusação de que maquiou dados do Banco Rural para esconder o mensalão do PSDB.

“Até que enfim a PGR resolveu investigar o Aécio!”, afirma ao Viomundo o deputado estadual Rogério Correia (PT-MG). ” Se o ministro Teori Zavascki abrir inquérito contra o Aécio — e eu espero que ele o faça –, o senador não escapará de punições.”

“Tomara que o Dimas Toledo seja logo preso e faça delação premiada”, acrescenta Correia. “Se ele fizer delação premiada, não sobrará tucanos na face da Terra.”

Dimas Toledo é homem do Aécio. Desde 1998, era diretor de Operações estatal Furnas. Foi quem, em 2002, fez uma operação monstro para levantar recursos para as campanhas de tucanos e aliados, e, depois, elaborou a famosa lista. Dimas arrola nomes e quantias recebidas por candidatos que se se beneficiaram do esquema.

Para facilitar, nós reproduzimos no pé deste post uma reportagem que publicamos em 14 de fevereiro de 2016, que detalha quem é Dimas Toledo e o esquema desenvolvido por ele.

Captura de Tela 2016-05-02 às 16.39.37

Carlos Sampaio (PSDB-SP), Francischini (SD-PR), Vital do Rêgo (hoje no TCU por nomeação de Dilma) e Marco Maia (PT-RS): investigados por montar esquema para aliviar na CPI

PGR envia pedidos de inquérito contra Aécio e outros políticos 

Mônica Bérgamo, Aguirre Talento, Márcio Falcão

na Folha/UOL 02/05/2016

A PGR (Procuradoria Geral da República) enviou ao STF (Supremo Tribunal Federal) um pacote de pedidos de aberturas de inquéritos com base na delação do senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS), dentre eles duas investigações contra o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), e outra que atinge a cúpula do PMDB no Senado.

Caso o ministro Teori Zavascki determine a abertura dos inquéritos, Aécio passará a ser oficialmente investigado em desdobramento da Operação Lava Jato.

São duas linhas de apuração contra o senador: uma, a suspeita do recebimento de propina de Furnas, e outra, a acusação de que maquiou dados do Banco Rural para esconder o mensalão do PSDB.

No caso do Banco Rural, também deve ser investigado o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), próximo a Aécio e que, segundo Delcídio, sabia que os dados estavam sendo maquiados.

Na época da divulgação de delação de Delcídio, Aécio classificou de “falsas” e “mentirosas” as acusações.

Outro inquérito solicitado pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot é contra os senadores do PMDB Romero Jucá (RR), Jader Barbalho (PA), Valdir Raupp (RO) e Renan Calheiros (AL), presidente do Senado, sob suspeita do recebimento de propina das obras da hidrelétrica de Belo Monte.

Neste caso, a PGR pediu que os fatos relativos a Belo Monte sejam distribuídos nos inquéritos já existentes contra esses senadores, sem a abertura de um procedimento específico sobre o caso.

Em sua delação, Delcídio afirmou que houve pagamento de ao menos R$ 30 milhões de propina pela construção de Belo Monte, “pagos ao PT e ao PMDB”, e citou esses senadores que devem ser investigados por Janot.

Uma quarta investigação mira o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Vital do Rêgo e o deputado Marco Maia (PT-RS) pela participação na CPI Mista da Petrobras realizada em 2014. Eles foram acusados de participar de um esquema para achacar empresas investigadas pela CPI em troca de recursos para a campanha.

Vital era o presidente da comissão e, Maia, o relator.

Delcídio afirmou ainda aos investigadores em sua delação que o então senador Vital do Rêgo (PMDB), atual ministro do TCU, e os deputados Marco Maia e Fernando Francischini (SD-PR) cobravam “pedágios” para não convocar e evitar investigações sobre os empresários Leo Pinheiro, Julio Camargo e Ricardo Pessoa, que são alvos na Lava Jato.

Segundo Delcídio, a CPMI de 2014 obrigava os três empresários a jantar todas as segundas-feiras em Brasília para negociar o pagamento de propina.

Captura de Tela 2016-05-02 às 16.50.43

Marco Aurélio Carone, o jornalista preso para evitar denúncias públicas contra Aécio na campanha de 2014; o delator Nilton Monteiro topa contar tudo se os inquéritos contra ele em Minas forem federalizados

“Nós já sabíamos a quem o Dimas servia”, diz petista que era líder da oposição em Minas; Aécio fez acerto com governo Lula para manter diretor em Furnas

14 de fevereiro de 2016

 por Conceição Lemes

Final de 2014. Em delação premiada da Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef afirma que o PSDB, através de Aécio Neves, dividiria uma diretoria de Furnas (estatal do setor elétrico) com o PP, liderado pelo ex-deputado federal José Janene, morto em 2010.

Youssef afirma que ouviu também que Aécio, por intermédio de sua irmã, teria recebido valores mensais de uma das empresas contratadas por Furnas, a Bauruense, do empresário Airton Daré, no período entre 1996 e 2000/2001.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tornou público o teor da delação premiada em 4 de março de 2015.  Foi ao comentar para o Estadão o pedido de arquivamento ao Supremo Tribunal Federal (STF) das investigações contra o hoje senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional do PSDB.

Janot alegou serem insuficientes as informações fornecidas por Youssef.  A justificativa principal: os dois citados – o ex-deputado José Janene  e empresário Airton Daré tinham morrido– e não poderiam confirmá-las.

1º de julho de 2015. Em delação premiada, Carlos Alexandre de Souza Rocha, o “Ceará”, afirma que, no segundo semestre de 2013 (entre setembro e outubro) levou R$ 300 mil a um diretor da UTC Engenharia no Rio de Janeiro, que lhe disse que a soma iria para o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

“Ceará” era entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef. O seu depoimento foi revelado em 30 de dezembro de 2015, pelo repórter Rubens Valente na Folha de S. Paulo.

3 de fevereiro de 2015. Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, em Curitiba, o delator e lobista Fernando Moura afirma que Furnas era controlada por Aécio Neves. Lula havia vencido a eleição presidencial em 2002 e Aécio, a do governo mineiro. Aécio pediu para indicar Dimas Toledo para dirigir Furnas. Foi o terceiro depoimento de Moura na Lava Jato:

“A princípio levei pro Zé (Dirceu) o nome do Dimas Toledo, que continuasse na diretoria de Furnas. Ele (Dirceu) usou até uma expressão comigo. ‘O Dimas não, porque se o Dimas entrar em Furnas até como porteiro vai mandar em Furnas, está lá há 4 anos, é uma indicação que sempre foi do Aécio’.

Passado um mês e meio ele (Dirceu) me chamou e falou ‘qual a sua relação com Dimas Toledo?’ Eu falei, estive com ele três vezes, achei ele competente, cara profissional. O Zé me disse. “Porque esse foi o único cargo que o Aécio pediu pro Lula, então, você vai lá conversar com Dimas e diga que a gente vai apoiar a indicação dele.”

Fernando Moura disse que ‘foi conversar com o Dimas’.

“Na oportunidade, ele (Dimas) me colocou, da mesma forma que eu coloquei o caso da Petrobras, em Furnas era igual. Ele falou ‘vocês nem precisam aparecer aqui, vocês vão ficar é um terço São Paulo, um terço nacional e um terço Aécio.’”

Toda vez que Aécio é denunciado, a assessoria de imprensa do senador e a do PSDB rebatem com a surrada “motivação meramente política”.

Assim, tal qual fez nas delações divulgadas de Youssef e “Ceará”, Aécio nega as denúncias do lobista Fernando Moura. Em vídeo postado em sua página na internet, ele recorre a uma metáfora futebolística para repeli-las:

(…) ele [Fernando Moura] disse que o senador Aécio Neves havia indicado no governo do PT o dirigente de uma empresa estatal e que havia se beneficiado de recursos dessa empresa.

Isso seria algo como se, por exemplo, o técnico do São Paulo escalasse o time do Corínthians às vésperas da decisão. Ou que o do Atlético fizesse o mesmo que o do Cruzeiro. Ou o técnico do Vasco escalasse o goleiro do Flamengo para decisão do carioca.

Eu estou interpelando esse cidadão na Justiça assim como o diretor citado.”

BASTA JANOT PESQUISAR JORNAIS DE 2002/2003 E PEGARÁ AÉCIO NA MENTIRA

“Como sempre faz, Aécio trata uma denúncia contra ele como ridícula e a pessoa sem credibilidade, procurando desqualificá-los”, atenta o deputado estadual Rogério Correia (PT-MG), em entrevista exclusiva ao Viomundo. “Em compensação, quando os delatores acusam adversários dele, são bem-vindos, viram heróis.”

“Aécio tergiversa, dizendo que, como político adversário do PT, não poderia ter feito a indicação”, observa Correia. “Se esse é o único argumento do senador para se defender em relação à propina do esquema de Furnas, ele não se sustenta. Uma falácia. Aécio está ‘esquecendo’ da memória histórica. O quadro político de 2002, quando Dimas Toledo foi indicado, era totalmente diferente do atual, do qual o senador está falando.”

Em Minas, é o próprio segredo de polichinelo.

Em 2002, Itamar Franco era governador. Aécio Neves (PDSB-MG), então deputado federal, pleiteava o Palácio da Liberdade e Luís Inácio Lula da Silva (PT-SP), o Palácio do Planalto.

Devido a arranjos políticos locais, em Minas houve muita campanha pelo voto “Lulécio”.

O próprio Itamar apoiava Aécio e Lula.

Nilmário Miranda, candidato do PT ao governo mineiro numa chapa puro-sangue, foi sacrificado. Aécio, por sua vez, não levou a Minas José Serra, então candidato do seu partido à presidência da República. Na ocasião, o PSDB de São Paulo reclamou muito do comportamento de Aécio.

Foi nesse quadro, após vencer a eleição para o governo de Minas, que Aécio buscou aproximação com o governo Lula. Uma de suas demandas era manter Dimas Toledo como diretor de  Operações de Furnas, o que conseguiu. O PT de Minas quase rachou.

O deputado estadual Rogério Coreia era o líder da bancada petista na Assembleia Legislativa de Minas.

“Nós já sabíamos a quem o Dimas servia”, conta. “Aécio fez movimentos tanto na direção da indicação de Dimas para Furnas, quanto na de isolar a nossa bancada que fazia oposição a ele.”

“Fomos chamados a Brasília para conversar com o Zé Dirceu [então ministro Casa Civil]”, expõe.  “Ele ‘tentou’ convencer a bancada a diminuir o grau de oposição.”

“Aécio até fez um almoço no Palácio da Liberdade e o Lula esteve presente”, relembra. “Agora, ele tenta retratar 2002 como se fosse 2015/2016, para ‘esconder’ a indicação de Dimas para Furnas. Mas essa história não dá para mudar! Ou será que ele acha que pode sair falando o que quiser, pois ninguém tem memória?”

Basta o doutor Rodrigo Janot pesquisar publicações daquela época e pegará Aécio na mentira. Descobrirá reportagens e artigos de opinião, tratando da aproximação dos governos Aécio e Lula, em nome da governabilidade.

“Agora, no assunto Lista de Furnas, Aécio não entra no vídeo-resposta, não responde nada”, Correia põe o dedo na ferida.  “As provas são cabais.”

“POR QUE AÉCIO NUNCA PROCESSOU DIMAS TOLEDO, O AUTOR  DA LISTA DE FURNAS?” 

A Lista de Furnas foi feita toda com base no esquema político de Aécio, que se espalhou pelo Brasil inteiro. Foi o que sustentou a campanha eleitoral dos tucanos de 2002.

Além de pagar propina ao PSDB e PP, esse esquema distribuiu quase R$ 40 milhões [valores da época; corrigidos, R$ 91 milhões] aos principais políticos tucanos e de partidos coligados nas eleições de 2002.

Aparecem na lista de beneficiários da propina os candidatos tucanos aos governos de Minas, então deputado federal Aécio Neves (amealhou R$ 5,5 milhões apenas para ele; R$ 15,8 milhões em valores atualizados), São Paulo, Geraldo Alckmin, e à presidência da República, José Serra.

Desde 1998, Dimas Toledo era diretor de Operações e Furnas. E foi quem, em 2002, fez uma operação monstro para levantar recursos para as campanhas de tucanos e aliados, e, depois, elaborou a famosa lista.

Dimas arrola nomes e quantias recebidas por candidatos que se se beneficiaram do esquema. Seu objetivo era pressionar Aécio Neves, eleito governador, e  outros tucanos, para forçarem Lula a mantê-lo à frente de Furnas, como, de fato, aconteceu até 2005.

“Aécio está dizendo que vai processar o Fernando Moura. Por que ele nunca processou o Dimas, que foi quem fez a Lista de Furnas?”, cutuca Correia. “Por que também os demais políticos citados na Lista de Furnas, como Serra e Alckmin, também nunca processaram o Dimas Toledo? ”

O próprio deputado petista expõe os motivos.

Primeiro: Aécio e todos os demais citados têm culpa no cartório.  Ao não processarem o Dimas, eles assumem a culpa.

Segundo: Dimas Toledo é homem do Aécio.

Terceiro: a lista é verdadeira, por mais que os tucanos tentem desqualificá-la.  A própria Polícia Federal comprovou autenticidade da assinatura de Dimas Toledo no documento, que, diga-se de passagem, não é montagem.

Quarto: de público, há três confissões que atestam a veracidade do conteúdo da Lista de Furnas.

A primeira foi a do ex-deputado federal Roberto Jefferson, que disse que recebeu exatamente o valor que consta lá: R$ 75 mil.

Em depoimento à procuradora criminal Andrea Bayão Pereira, que atuava no Ministério Público do Rio de Janeiro, Jefferson disse: “não posso dizer dos outros, mas eu posso dizer que eu recebi o que está aí”.

Em matéria postada no seu blog, o jornalista Ricardo Noblat contou que havia conversado com um deputado que disse que o valor que constava da lista era realmente o que ele havia recebido. Noblat não quis dar o nome do deputado.

Em 2011, quando os tucanos tentaram cassar o mandato de Rogério Correia, o deputado estadual Antonio Júlio, do PMDB, foi para cima deles. “Cassar o quê, se o que ele diz é verdade?!”, reagiu então.

Desde 2005, ao tomar conhecimento da Lista de Furnas, o deputado Rogério Correia levou-a à Polícia Federal (PF) e ao Ministério Público Federal e Estadual para que fosse investigada.

Em 2011, a revista Veja publicou matéria, dizendo que Rogério Correia havia participado do processo de falsificação dos nomes da lista de lista de Furnas. “A reportagem era reportagem fajuta, e a verdade acabou aparecendo”, relembra Rogério.

Foi nesse contexto que Antônio Júlio revelou que havia pedido a Dimas Toledo uma verba não para ele, mas para um hospital da sua base eleitoral. Dimas mandou para lá exatamente o valor que está na Lista de Furnas.  O hospital recebeu e o Antonio Júlio exibiu o recibo disso. Foi a pá de cal  nos tucanos, que murcharam, e na matéria criminosa de Veja.

Quinto: em 25 de janeiro de 2012, a procuradora criminal Andréa Bayão Pereira concluiu  seu trabalho  sobre a Lista de Furnas, comprovando a existência do esquema de caixa 2. Ela indiciou por corrupção ativa Dimas Toledo, que é quem operava para Aécio Neves, e Roberto Jefferson por corrupção passiva.

Aliás, em março de 2015, ao pedir ao STF o arquivamento das investigações contra Aécio citado por Youssef  em delação da Lava Jato, Rodrigo Janot , como bem alertou Luiz Carlos Azenha, desconheceu a denúncia feita em 25 de janeiro de 2012  pela promotora da Lista de Furnas, a procuradora Andréa Bayão Pereira, atualmente no Ministério Público Federal, em Brasília. Ou seja, trabalha com Janot.

“Aécio usou toda sorte de métodos para impedir que nada sobre ele fosse investigado nem divulgado”, acusa Rogério Correia. “Comprou o silêncio da imprensa mineira e do Ministério Público Estadual, através da indicação dos procuradores-gerais. Em nível nacional, o ex-PGR, Roberto Gurgel, fez questão de não perguntar à doutora Andrea Bayão sobre o inquérito da Lista de Furnas, e levá-lo ao STF.”

“Isso sem falar nos momentos violentos, autoritários, fascistas, inclusive, de Aécio para calar os ousaram denunciar os seus métodos”, afirma Rogério. “Por exemplo, as prisões do jornalista Marco Aurélio Carone e do delator do mensalão tucano e lobista Nilton Monteiro. Isso sem falar na tentativa de cassar o meu mandato.”

– Mas o senhor e outros parlamentares já estiveram várias vezes na Procuradoria-Geral da República, levando provas sobre as denúncias envolvendo o senador Aécio Neves e elas não deram em nada!

— Realmente, não tenho como negar que foi o que aconteceu até o momento. Mas, agora, o doutor Janot tem que abrir inquérito contra o Aécio, mesmo porque quem fez a mais recente denúncia Aécio é o mesmo delator do senador Fernando Collor. Como o Janot vai levar adiante o caso do Collor e não fazer o mesmo contra o Aécio? O denunciante é o mesmo! Além disso, insisto: tem várias outras provas cabais.

– Acha que o Dimas Toledo confirmaria tudo isso em juízo?

— Eu já ouvi dizer que se forçado, ele vai abrir a boca. Por que o doutor Janot não chama o Dimas para depor e oferece delação premiada? O Dimas já foi denunciado pela doutora Andrea Bayão por corrupção e poderia ser preso.

– Considerando que procuradora Andrea Bayão é a autora da denúncia da Lista de Furnas e trabalha com o  doutor Janot em Brasília, os senhores já pediram a ele que a ouvisse ?

— Não só sugerimos como solicitamos  ao próprio PGR que a doutora Andrea fosse ouvida e a denúncia enviada ao STF, já que envolve senadores, deputados. Rodrigo Janot ficou de analisar. Isso aconteceu em 31 de março de 2015, quando estivemos com ele na PGR, em Brasília. Até hoje não tivemos nenhuma resposta.

PS do Viomundo: Rádio Arco-Íris, Banjet, Oswaldinho, aplicação de verbas públicas em empresas da família, voos em jatinho do presidente da Codemig, suspeitas de ocultação de patrimônio e sonegação fiscal, blindagem, Lista de Furnas, mensalão tucano, prisão do jornalista Marco Aurélio Carone, prisão do lobista Nílton Monteiro, tentativa de cassação de Rogério Correia, imprensa censurada, silêncio do MP mineiro, “aecioporto” de Cláudio, aeroporto de Montezuma, região da fazenda do pai, escola em em cima de posto de gasolina e em motel…

Desde 2011, o Viomundo é o veículo que mais publicou denúncias contra Aécio e seus aliados, quase sempre menosprezadas pela chamada grande mídia. Foram algumas dezenas de reportagens, dentre as quais estas:

Minas sem Censura denuncia à Justiça o caso da Rádio Arco-Íris 

Minas Sem Censura pendura Sarney e ACM no pescoço de Aécio Neves

Rogério Correia: Valério operou ao mesmo tempo para o Aécio e o PT

Conceição  Lemes: O balanço das denúncias contra Aécio que a mídia ignorou

Caso Aécio: É constitucional o governador contratar empresa sua e da sua família?

Delator do mensalão tucano tem medo de morrer

Advogado diz que morte de modelo tem relação com mensalão tucano

Lista de Furnas: Esquema de R$ 39,9 milhões ainda não deu cadeia para tucanos

Deputados pedem inclusão de Cemig e Lista de Furnas no mensalão tucano

Rogério Correia: “Inquérito contra jornalista é fantasioso, peça de ficção”

Geraldo Elísio: “Forjando provas mediante intimidação”

Rogério Correia: Prisão em Minas é para proteger Azeredo, Pimenta e Aécio

Minas Sem Censura: Carone preso, traficante de cocaína em liberdade

Advogados de jornalista preso estão impedidos de ter acesso ao processo

Rogério Correia: “Aécio fez com jornalista do Rio o que sempre faz em Minas”  

Cláudio: Sem acesso ao aeroporto, motoristas se benzem

Mineiros querem saber por que o aeroporto de Cláudio sempre teve uso particular, inclusive cadeado

Montezuma: Cidade tem aeroporto, mas não tem hospital

O naufrágio do plano de Aécio de incentivar turismo em Montezuma

Montezuma: Veja o mini-doc exclusivo do Viomundo sobre o aecioporto

O que a Globo vai descobrir se o jatinho do JN pousar em Montezuma

Rogério Correia: Se tudo for investigado, Aécio Neves acaba preso

Presidente do TCE de MG nomeada por Aécio é esposa de réu do mensalão tucano 

Na “melhor educação do Brasil”, escola funciona em posto de gasolina

“Melhor educação” de Minas tem escola em prédio de motel

Aécio visitou os golpistas em Caracas; Carone não pode receber visita nem da família 

Carone: Relatório do Banco Mundial mostra que capital internacional financiou “choque de gestão” de Aécio

Ao livrar Aécio de inquérito, Janot desconheceu denúncia de promotora sobre Lista de Furnas
*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/denuncias/rogerio-correia-ate-que-enfim-a-pgr-resolver-investigar-o-aecio-tomara-que-o-dimas-toledo-seja-logo-preso-e-faca-delacao-premiada-nao-vai-sobrar-tucanos-na-face-da-terra.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s