FOLHA DE S.PAULO MANIPULOU PESQUISAS,COMO SEMPRE: Pior que a fraude é a meia verdade

02.08.2016
Do portal do OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA,01.08.16
Por Elstor Hanzen*,  na edição 914

Os dados manipulados pelo Datafolha na última pesquisa e publicados pelo jornal do mesmo grupo, a Folha de S.Paulo, foram um exemplo de erro grosseiro e de relativa facilidade e rapidez para a identificação da fraude, sem margem para argumentos em defesa dos autores e causando um baque na credibilidade da instituição. Mas por pior que tenha sido tal problema, há casos corriqueiros no noticiário em que se usam estatísticas corretas, objetivas e incontestáveis para afirmar meias verdades. Em outras palavras, engana-se sem mentir e com impunidade.

Se a Folha publicasse a mesma manchete para dizer que “50% dos entrevistados” queriam a continuidade de Michel Temer até o fim do mandato de Dilma, contextualizasse que o percentual era referente à pergunta binária entre “Dilma retorna” ou “Temer fica” e não desaparecesse simplesmente com a parte da pesquisa sobre o desejo de 62% dos brasileiros de que se convoquem novas eleições, além de não alegar que só 3% queriam novas eleições – já que essa pergunta nem foi feita na pesquisa –, a fraude não se configuraria e a polêmica não seria a mesma, porque o destaque teria respaldo nas informações.

Ainda assim estaríamos diante de uma meia verdade que favoreceria igualmente o governo em exercício. Contudo, uma prática comum e aceitável no jornalismo, porquanto ancorada em dados levantados por um respeitável instituto de pesquisas fundado em 1983.

A mentira e os documentos forjados

Portanto, teríamos uma notícia com informações objetivas e com toda a aparência de verdade, o que a deixaria muito difícil de ser contestada e criticada por qualquer pessoa, isentando o jornal das piores acusações, por exemplo. Fora isso, o caso pode servir como alerta sobre a importância de se adotar uma postura mais crítica na leitura dos jornais, mesmo quando se está diante de notícias amparadas em dados aparentemente incontestáveis. Aliás, o cuidado pode ser muito útil em anos de eleições como este, momento em que, certamente, seremos confrontados com uma enxurrada de pesquisas e estatísticas por todos os lados.

A propósito, sobre a objetividade jornalística, o pesquisador em comunicação Miquel Alsina lembra que ela não existe, mas deve ser entendida como um esforço para transmitir uma notícia que possa ser recebida e compreendida em seu contexto. Segundo ele, a autêntica objetividade não é neutra nem imparcial. Alsina compreende a notícia como uma construção social a partir de determinado contexto feita por um sujeito enunciador. Ademais, o pesquisador ressalta que o único recurso para a objetividade jornalística é tomar consciência permanente da relação observador-fenômeno, ou seja, a permanente autocrítica na leitura do noticiário.

No trabalho jornalístico diário, a seleção de assuntos, a atribuição de importância menor ou maior aos fatos na edição e a escolha dos temas que devem centrar a atenção da opinião pública fazem parte da rotina produtiva. São métodos legítimos que integram as estratégias dos meios de comunicação para a promoção de certos temas. Porém, o que é ilegítimo é a mentira ou o uso de documentos forjados na confecção da notícia.

Mas é importante que se ressalte, com as palavras do próprio Alsina, que “enganar sem mentir, usando dados corretos, objetivos, incontestáveis, para dar a entender coisas que, ou não são falsas, ou em todo não são verdadeiros, é enganar sem sofrer punição”.

***
*Elstor Hanzen é jornalista
*****
Fonte:http://observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/pior-que-fraude-e-meia-verdade/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s