Paulo Copacabana: Eleições 2016 e a onda que se ergueu do mar

13.10.2016
Do blog VI O MUNDO

tsunamis-form_ab4ded295ce5a580

por Paulo Copacabana, especial para o Viomundo

2016 parece encerrar um ciclo político marcado pela emergência da centro esquerda liderada pelo PT e pela figura de Lula.

Um ciclo que introduziu importantes políticas sociais, abriu espaço político para segmentos historicamente excluídos, recuperou o poder de compra do salário mínimo, começou a reduzir as desigualdades sociais e implantou algumas políticas econômicas de cunho desenvolvimentista, como a ampliação do crédito e os investimentos publicos em infraestrutura.

Neste ciclo, porém, não arranhamos muitas das questões produtoras das enormes desigualdades no país: a reforma tributária não avançou, perpetuando-se um sistema que “tira do pobre e da classe média para dar aos ricos”.

Mantivemos um sistema político dominado pelo poder econômico e máquinas eleitorais, com baixa participação política fora das eleições e, agora, crescente ausência de participação também nas eleições.

Mantivemos intacto um sistema de comunicação quase monopólico, onde o verdadeiro debate de idéias não tem lugar.

Mantivemos a primazia do setor financeiro e do rentismo sobre a lógica econômica do país, produzindo arrochos fiscais constantes sobre o orçamento público e impondo taxas de retorno inalcançáveis para o investimento produtivo privado.

Esse conjunto de sistemas está carregando novamente o país para um novo/velho ciclo neoliberal.

Um neoliberalismo tardio. Mais agressivo ainda do que aquele visto nos anos 90, já que emerge pós crise do capitalismo financeiro em 2008 e não tem muito “tempo a perder”.

Quando a consciência cidadã emergir nos quatro cantos do planeta, inclusive no Brasil, e perceber que a financeirização da riqueza, livre mundialmente, produziu esta crise, a reação social será implacável.

Afinal, a financeirização da riqueza só tem concentrando recursos nas mãos de poucos bilionários e produzido crises políticas, econômicas e sociais no mundo inteiro.

Até lá, assistiremos a uma nova agenda antidemocrática, antinacional, antipopular e antipública. Não sem empreendermos muita luta. Por supuesto.

****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/politica/paulo-copacabana-eleicoes-2016-e-a-onda-que-se-ergueu-do-mar.html

Anúncios

Um comentário sobre “Paulo Copacabana: Eleições 2016 e a onda que se ergueu do mar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s