Fenafisco contra a bilionária pedalada de Bolsonaro que ferra os velhinhos; leia a íntegra

14.02.2019
Do BLOG DO ESMAEL MORAIS, 13.02.19
Por Esmael Morais

A Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital) manifestou nesta quarta-feira (13), por meio de nota oficial, preocupação com a pedalada do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que ferra com a previdência pública (seguridade social).

Bolsonaro assinou decreto na sexta (8) transferindo mais de R$ 600 bilhões do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social da União para pagamentos de encargos financeiros da União e para transferência a Estados, Distrito Federal e Municípios.

LEIA TAMBÉM

Bolsonaro pedalou R$ 606 bilhões em cima dos velhinhos. Impeachment ou não vem ao caso?

“Não bastasse o já depredado orçamento da Seguridade Social, sobretudo por conta da DRU, que lhe subtrai 30%, o País é tomado de assalto com o ato presidencial que autoriza a retirada de R$ 600 bilhões também para cobrir encargos financeiros do governo, um valor que deve ir em grande parte para o mercado financeiro”, afirma o presidente da Fenafisco, Charles Alcantara.

A Fenafisco, que congrega cerca de 35 mil servidores fiscais tributários estaduais e distritais e com o País, promete lutar contra a reforma da previdência (fim das aposentadorias e pensões para viúvos e órfãos) juntamente com trabalhadores da inciativa privada.

Leia a íntegra da nota a Fenafisco:

Posicionamento Fenafisco

Em razão do decreto presidencial assinado na última sexta-feira (08), que transfere mais de R$ 600 bilhões do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social da União para pagamentos de encargos financeiros da União e para transferência a Estados, Distrito Federal e Municípios, a Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital) vem a público manifestar a sua extrema preocupação. “Não bastasse o já depredado orçamento da Seguridade Social, sobretudo por conta da DRU, que lhe subtrai 30%, o País é tomado de assalto com o ato presidencial que autoriza a retirada de R$ 600 bilhões também para cobrir encargos financeiros do governo, um valor que deve ir em grande parte para o mercado financeiro”, afirma o presidente da entidade, Charles Alcantara.

A par de sua responsabilidade com os seus 32 sindicatos filiados das 27 unidades federadas, que representam mais de 35 mil servidores fiscais tributários estaduais e distritais e com o País, a Fenafisco se coloca aberta ao diálogo permanente e construtivo em defesa do Estado Social e, como tal, em defesa do fortalecimento da Previdência Pública. Contudo, afirma que não medirá esforços na articulação com o Congresso, dentro da carreira e com a sociedade para frear a retirada de direitos que estão garantidos na Constituição de 1988. “Não seremos espectadores apáticos de práticas que prejudiquem os trabalhadores, sejam da iniciativa pública ou privada. Caso seja necessário, articularemos uma grande agenda de mobilização nas ruas”, detalha Alcantara.  

*****
Fonte:https://www.esmaelmorais.com.br/2019/02/fenafisco-contra-a-bilionaria-pedalada-de-bolsonaro-contra-os-velhinhos-leia-a-integra/

2 comentários sobre “Fenafisco contra a bilionária pedalada de Bolsonaro que ferra os velhinhos; leia a íntegra

  1. Republicou isso em Gustavo Hortae comentado:
    VOU CONSTRUIR UM HOSPÍCIO
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2019/02/14/vou-construir-um-hospicio/

    … Vou construir um hospício
    Para a todos abrigar
    Vou construir um hospício
    Para todos desse lugar

    Vou construir um hospício
    E lá eu pretendo morar
    Vou construir um hospício
    Mandar para lá e para cá

    Para andar pra lá e pra cá
    E nunca sair do lugar
    Com vergonha a infernizar
    À vergonha infernizar

    Infernizar como o capeta faz
    Num hospício, um lugar vulgar
    Minha mente que não é nada sagaz
    Sem mente, somente mente fugaz

    Somente mente, mente demais.

    Mente fugaz que mente para danar
    Danado que nem o capeta
    Vou construir um hospício
    Lá vai ser um belo lugar
    Cheio de gente doida
    Cheio de gente endoidecida
    Gente pra validar, pra vender e pra dar, danada como ali se é 

    Vou construir um hospício que nada
    Hospício aqui já há
    É hospício em todo lugar
    Em todo tempo hospício
    Hospício onde quer que se vá

    Hospício aqui é efêmero
    Inócuo nada mais pode ser
    Se doidos e malucos abundam
    Não serei o único sadio
    Todos errados e só eu certo
    Todos errados e sonho certo

    Todos os errados ao meio serrados
    Corações ao meio partidos
    Sangue que escorre no meio do cerrado

    Só eu certo, único certo, logo algo errado há. Assim não há de ser.

    Hospício acabo de desistir de fazer
    Hospício acabo de desistir de construir
    Preciso encontrar o meu lar
    Que pode ser que nem seja aqui, nesse lugar
    Mesmo que em algum lugar há de ser
    Mesmo que lugar de doido seja no hospício
    Refugado e escondido
    Ali depositado naquele canto recôndito.

    Triste assim o fim do doido que achava
    Que sua pena era uma arma
    Que tanto a sua pena amava
    Que ao final seu coração desarma
    E no fim das contas, só contas

    Quem sabe um dia
    Eu venha mesmo a construir o meu hospício
    Novinho
    Em algum lugar todo vermelho.

    gustavohorta.wordpress.com

    Curtir

  2. VOU CONSTRUIR UM HOSPÍCIO
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2019/02/14/vou-construir-um-hospicio/

    … Vou construir um hospício
    Para a todos abrigar
    Vou construir um hospício
    Para todos desse lugar

    Vou construir um hospício
    E lá eu pretendo morar
    Vou construir um hospício
    Mandar para lá e para cá

    Para andar pra lá e pra cá
    E nunca sair do lugar
    Com vergonha a infernizar
    À vergonha infernizar

    Infernizar como o capeta faz
    Num hospício, um lugar vulgar
    Minha mente que não é nada sagaz
    Sem mente, somente mente fugaz

    Somente mente, mente demais.

    Mente fugaz que mente para danar
    Danado que nem o capeta
    Vou construir um hospício
    Lá vai ser um belo lugar
    Cheio de gente doida
    Cheio de gente endoidecida
    Gente pra validar, pra vender e pra dar, danada como ali se é 

    Vou construir um hospício que nada
    Hospício aqui já há
    É hospício em todo lugar
    Em todo tempo hospício
    Hospício onde quer que se vá

    Hospício aqui é efêmero
    Inócuo nada mais pode ser
    Se doidos e malucos abundam
    Não serei o único sadio
    Todos errados e só eu certo
    Todos errados e sonho certo

    Todos os errados ao meio serrados
    Corações ao meio partidos
    Sangue que escorre no meio do cerrado

    Só eu certo, único certo, logo algo errado há. Assim não há de ser.

    Hospício acabo de desistir de fazer
    Hospício acabo de desistir de construir
    Preciso encontrar o meu lar
    Que pode ser que nem seja aqui, nesse lugar
    Mesmo que em algum lugar há de ser
    Mesmo que lugar de doido seja no hospício
    Refugado e escondido
    Ali depositado naquele canto recôndito.

    Triste assim o fim do doido que achava
    Que sua pena era uma arma
    Que tanto a sua pena amava
    Que ao final seu coração desarma
    E no fim das contas, só contas

    Quem sabe um dia
    Eu venha mesmo a construir o meu hospício
    Novinho
    Em algum lugar todo vermelho.

    gustavohorta.wordpress.com

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s