PLANO ATLANTA: O GOLPE JUDICIAL-MIDIÁTICO NA AMÉRICA LATINA

14.07.2017
Do portal BRASIL247

*****
Fonte:https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/306491/Plano-Atlanta-o-golpe-judicial-midi%C3%A1tico-na-Am%C3%A9rica-Latina.htm

Mesmo para os atuais padrões, a mentira de Temer sobre reunião inexistente com Putin é assombrosa

19.10.2016
Do blog DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO, 18.10.16
Por 

Segundo Temer, Putin propôs casamento, mas não rolou

Michel Temer merece um lugar especial na vasta galeria de políticos mentirosos. Elevou esse traço ao estado de arte e atualmente excursiona pelo mundo exibindo suas trampolinagens.

O Estadão deu a matéria. Temer foi esnobado por Putin na cúpula dos BRICS em Goa, na Índia, no final de semana. O russo esteve com o líder da China, Xi Jinping, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e com Jacob Zuma, presidente da África do Sul.

O jornalista brasileiro Pepe Escobar, da RT, escreveu que Putin deu um sinal claro ao manter Temer longe da reunião. “Eles conversaram brevemente sobre as ‘reformas’ econômicas do Brasil — sinônimo do choque neoliberal em curso”. Temer deu provas de estar “alinhado com Washington”, afirma Escobar.

O que fez Michel ao encontrar a imprensa na terça? Tentou aplicar um golpe. Simplesmente criou uma fantasia paraguaia com Putin e mandou ver.

Diz o Estadão:

Ao ser questionado sobre como os líderes estrangeiros haviam reagido em relação à aproximação da PEC sobre o limite de gastos do orçamento, Temer afirmou: “Não só o ministro indiano se interessou, como durante um almoço o ministro Putin… o presidente Putin se interessou vivamente, tanto que eu dei explicações as mais variadas sobre o nosso projeto”, disse ele. Instantes depois o presidente brasileiro se referiu ao almoço como “um jantar”. Sem ser questionado, Temer prosseguiu falando de Rússia: “Há uma identidade muito grande de questões econômicas entre a Rússia e o Brasil”.

O brasileiro explicou que a dívida bruta brasileira é quase 70% do PIB, “um índice altíssimo”. “Na Rússia, me disse ele (Putin), igualmente. E o déficit de R$ 170 bilhões representa no nosso caso 1,8% do PIB, e na Rússia representa 2% ou 2,1%. De modo que, como havia essa identidade, nós conversamos muito sobre o teto dos gastos públicos. Percebo que ele se interessou. Agora não sei o que ele fará.”

(…)

Apesar de ter sido preterido pelo presidente russo, Temer disse estar sendo acolhido “com simpatia” nas reuniões no exterior. “Não vou nem dizer simpatia, mas acolhimento e compreensão das palavras que digo”, corrigiu-se a seguir. E então voltou a falar de Putin ao mencionar que propôs a aproximação “dos povos dos Brics”: “O interessante é como isso foi bem acolhido e foi até objeto de manifestação do presidente Putin quando nós fizemos a segunda plenária dos Brics”, contou.

Assombroso é ele achar que ninguém checaria a história. Patologia? Desespero? Desfaçatez? Certamente, se for confrontado, tentará alguma manobra diversionista do tipo “me entenderam mal”.

Em setembro, Michel já tinha dado um vexame na ONU ao falar que o Brasil recebeu “mais de 95 mil refugiados”, inflando o número de 8 800, de acordo com um órgão ligado ao Ministério da Justiça. Ficou por isso mesmo.

Podemos estar diante de um mitômano como Maluf, Nixon ou Dadá Maravilha. A ver. Se ele é capaz de bolar um episódio desses, o que não oferece, por exemplo, a deputados? O que não falou para Shinzo Abe, do Japão? O que não ouve Marcela?

Como somos uma república de bananas, é pouco provável que o embuste repercuta lá fora. De qualquer maneira, seria menos ridículo se ele nos envergonhasse por aqui, mesmo, sem precisar viajar.

Como perguntou aquela velha senhora moscovita num conto de Tchécov que ninguém leu: “Você compraria um carro usado deste homem?”

*****
Fonte:http://www.diariodocentrodomundo.com.br/mesmo-para-os-atuais-padroes-a-mentira-de-temer-sobre-reuniao-inexistente-com-putin-e-assombrosa-por-kiko-nogueira/

Temer prepara “reforma radical” da Previdência

13.10.2016
Do portal da REVISTA CARTACAPITAL
Por André Barrocal 

Aposentado desde os 55 anos, presidente quer que brasileiro trabalhe por mais tempo. E já faz campanha na mídia

Eliseu Padilha e Michel Temer

O presidente Michel Temer estará fora do País de 14 a 20 de outubro, em viagem para participar na Índia de uma reunião dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e em seguida de uma visita oficial ao Japão. Na volta, pretende concluir e enviar ao Congresso uma proposta de “reforma radical” da Previdência, definição usada por ele em outro giro pelo exterior. 

Seus planos “radicais” foram revelados a investidores estrangeiros em 21 de setembro, em uma reunião-almoço em Nova Iorque. O encontro servia para Temer tentar atrai-los com a promessa de que o Brasil será uma terra de oportunidades a empresário em busca de lucro. Fazer o brasileiro trabalhar por mais tempo antes de se aposentar se encaixa nesse discurso. 

Impor idade mínima às aposentadorias, algo como 60 ou 65 anos, consta de um esboço de reforma elaborado pelo Ministério da Fazenda e apresentado a Temer na quinta-feira 6. De lá para cá, o presidente deu pistas, em entrevistas a rádios e TVs, sobre os estudos. “Importante é que para o futuro se fixe uma idade mínima para a aposentadoria”, afirmou à TV Band no mesmo dia 6. 

A ideia de fazer o brasileiro trabalhar mais tem duas explicações. Uma é que a população hoje vive mais e, na média, tem envelhecido. A expectativa de vida chegou a 75 anos, informa o IBGE. Quanto mais tempo as pessoas estiverem inativas, e quanto menos houver no mercado de trabalho a contribuir para o INSS, maior o custo para a Previdência.

A outra razão é impedir, digamos, a aposentadoria precoce de talentos. Gente como Temer, de 76 anos, por exemplo. E seus principais auxiliares no Palácio do Planalto, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), dois entusiastas da reforma.

Temer aposentou-se aos 55 anos, em 1996, como funcionário do estado de São Paulo, na condição de ex-procurador. Seu benefício é de 30 mil reais – em agosto, devido a férias, recebeu 45 mil. Considerando o salário de presidente (30 mil), custa 60 mil reais mensais aos cofres públicos, fora penduricalhos. Curiosidade: possui patrimônio declarado à Justiça Eleitoral de 7,5 milhões de reais.

Padilha, de 71 anos, é aposentado desde os 53 anos e recebe 19 mil mensais na condição de ex-deputado. Idem para Vieira Lima, de 57 anos, aponsentado desde os 51 anos, com benefícios de 20 mil mensais. O salário da dupla como ministros é de 30 mil reais. Curiosidade dois: a renda per capita no Brasil foi de 1,113 mil reais em 2015, diz o IBGE.

Ao defender a idade mínima, o governo tem a intenção de propor regras de transição para quem está à beira de se aposentar. Um modo de tornar a mudança “suave” para estas pessoas, na definição de Temer. Outras ideias em estudo são elevar a contribuição previdenciária dos funcionários públicos, hoje de 11%, e unificar regras válidas para os servidores e aquelas do INSS, bastante distintas.

Ao voltar da Ásia, Temer quer discutir o assunto com empresários, sindicalistas e aliados no Congresso. Para ele, conforme disse à rádio CBN, essa reforma será “mais polemizada” do que a proposta de congelar por 20 anos os investimentos em saúde e educação. Daí já andar empenhado em dar entrevistas sobre o tema e a pagar propaganda oficial para catequizar a população. 

Será um vespeiro, de fato. Pesquisa do Ibope divulgada no início de outubro por encomenda da Confederação Nacional da Indústria (CNI) indica que a notícia mais lembrada pela população sobre o governo é a reforma da Previdência (10% de menções).

Um fator que ajuda a explicar por que 68% não confiam no presidente e só 14% aprovam seu governo, segundo a mesma pesquisa. 

LEIA MAIS:

*****
Fonte:http://www.cartacapital.com.br/politica/temer-prepara-reforma-radical-da-previdencia

O silêncio ensurdecedor das panelas e a hipocrisia do discurso anticorrupção

01.06.2016
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO
Por André Falcão*

Se eram anticorruptos e patriotas os paneleiros verde-amarelos da CBF, por que diabos não se ouve agora o bater de suas panelas? Vergonha? Hipocrisia?

panelas corrupção hipocrisia impeachment golpe
A campanha anti-PT tem dois viés fundamentais: a direita, usando com escancarada hipocrisia o discurso anticorrupção, e os paridos pela manipulação midiática (os “inocentes úteis”).

Frente ao horror que desde o afastamento da presidenta se testemunha, avulta ensurdecedor o silêncio (envergonhado ou cúmplice) dos autoalardeados patriotas, paneleiros travestidos com a camisa da CBF (Movimento Brasil “Livre”, suprema ironia, à frente).

Na linha de frente do golpe, o presidente interino traidor, conspirador e ficha-suja.

Nomeou ministério de homens brancos, e líder réu em ações penais no STF ─ investigado em inquéritos (um por tentativa de homicídio), além de condenado por improbidade administrativa.

Ao menos sete de seus ministros são investigados pela Justiça, alguns pela Lava Jato.

Extinguiu Ministérios da Cultura (voltou atrás depois de muita pressão), das Mulheres, da Previdência Social e da Igualdade Racial, e já acena com a redução de vários programas sociais, fim da aposentadoria, privatização, extinção do SUS, entrega do Pré-Sal ao capital internacional, desarticulação do MERCOSUL e, pasmem, do BRICS.

Para a imprensa internacional, o país sofreu um golpe. Vergonha!

Aí eis que, ontem (23/05), pelo vazamento de conversa gravada semanas antes do impeachment, entre o Ministro Romero Jucá e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o golpe restou escancarado. Não vou transcrevê-la (está na internet).

Repercuto, apenas: onde eles dizem que com a Dilma não haveria jeito de barrar a Lava Jato!

“Tem que ter um impeachment”, disse um. “Tem que ter o impeachment. Não tem saída”, reforçou o outro.

Aécio, segundo eles, seria o primeiro a ser “comido” pela Lava Jato.

O STF foi incluído no “grande acordo” para o golpe.

Lembrei-me do depoimento do insuspeito Procurador Carlos Fernando, da Lava Jato, que em final de março afirmou que o PT jamais interferira na PF e no MPF.

Por muito menos, Delcídio foi preso e perdeu o mandato. Aliás, Cunha, amigo de Temer, segue solto.

Aí, as perguntas que não querem calar: se eram anticorruptos e patriotas os paneleiros verde-amarelos da CBF, por que diabos não se ouve agora o bater de suas panelas?

Envergonhados, porque se sabem agora manipulados midiáticos? Hipócritas?
Ora, cúmplices do golpe, o mínimo que lhes restaria seria desculparem-se com aquela sobre quem não paira a mínima mancha de corrupção. Ou continuem mudos. Porque o

golpe… já era.

*André Falcão é advogado e autor do blog do André Falcão. Escreve semanalmente para Pragmatismo Político
*****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/05/o-silencio-ensurdecedor-das-panelas-e-a-hipocrisia-do-discurso-anticorrupcao.html