Migração ao Funpresp – novo fracasso

03.08.2018
Do BLOG DO SERVIDOR/CORREIO BRASILIENSE, 31.07.18
Por Vera BatistaResultado de imagem para funpresp fotos

Entre os dias 21 e 29 de julho, apenas 5.425 servidores federais migraram do Regime Próprio de Previdência dos Servidores (RPPS) para o Fundo de Previdência Complementar (Funpresp), segundo estatísticas do Ministério do Planejamento. Dessas, 4.829 migrações foram homologadas e 596 aguardam autenticação. O número é levemente superior ao registrado entre setembro de 2016 e 20 de julho de 2018, período em que 4.765 funcionários públicos optaram por vinculação ao regime de previdência complementar (RPC). No total, até agora, somente 10.190 profissionais se animaram a abandonar os direitos adquiridos ao tomarem posse no serviço público federal

O resultado foi considerado mais um fiasco pelos especialistas. Representa 1,28% das previsões iniciais que apontavam 423 mil servidores em condições para migrar. Com isso, a intenção do governo de economizar no desembolso com aposentadorias e pensões do funcionalismo pode não se concretizar. O fracasso, mesmo após duas prorrogações do prazo, pode ser atribuído, particularmente, segundo José Jerônimo Nogueira, sócio do Innocenti Advogados, à falta de segurança jurídica no cálculo do benefício especial (compensação por terem contribuído acima do teto da Previdência, de R$ R$ 5.645,80).

“Não ficou claro se o cálculo terá como base os salários atuais ou os valores que o servidor receberá no momento em que fizer jus à aposentadoria”, explicou Nogueira. Outra indecisão é quanto à tributação. “É uma discussão sobre a natureza dessa parcela. Se o Planejamento decidir que tem caráter indenizatório, não sofrerá desconto de Imposto de Renda. Se não, passará a incidir o tributo”, explicou. A princípio, a cada R$ 1 de contribuição do servidor, limitado a 8,5%, a União faz um aporte de igual valor.

O Funpresp não parecia um mal negócio, mas é sempre um risco, disse Nogueira. “Risco o servidor também correrá com quaisquer das mudanças que vierem futuramente em uma possível reforma da Previdência, sem uma definição clara da natureza do benefício especial”, disse o advogado.

Nogueira também considerou que a migração foi fracassada porque muitos não entenderam o que estava acontecendo. “Muitas entidades de servidores procuraram informação em cima da hora. E tanto o Funpresp quanto o Planejamento apenas colocaram a planilha em seus sites e deixaram o servidor fazer a simulação. Seria melhor e mais seguro que tivessem ajudado ou até fizessem as contas”, reforçou.

Por esses motivos, próximo ao fim do prazo, pipocaram liminares de juízes determinando a suspensão do para categorias específicas e até para todos os servidores do dos Três Poderes, nas três esferas. Tão logo acabou o cronograma de migração, a A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com ações contra as liminares, com atuação caso a caso. “A Procuradoria-Regional da União da 1º Região, por exemplo, já interpôs recurso contra decisão que permitiu dilação dos prazos para integrantes do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa). A unidade da AGU em Santa Catarina também prepara recurso contra liminar que suspendeu os prazos”, informou a AGU.

Três decisões judiciais suspenderam o prazo: uma, na 9ª Vara Federal de Brasília, beneficiava apenas uma juíza; outra, na 16ª Vara da Capital, foi específica para a categoria dos auditores-fiscais federais agropecuários (Anffa); e a terceira, da 2ª Vara de Santa Catarina, ampliou o direito para todo o funcionalismo federal, estadual e municipal dos Três Poderes.

******
Fonte:http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/migracao-ao-funpresp-novo-fracasso/

Anúncios

Geap incentiva servidor a retornar ao plano de saúde com Refis

23.07.2018
Do BLOG DO SERVIDOR/CORREIO BRASILIENSE, 20.07.18
Por Vera Batista

Resultado de imagem para geap refis

O programa de regularização financeira da operadora já concretizou mais de seis mil negociações, com até 95% de desconto, em dois meses, que resultaram em uma receita superior a R$ 30 milhões, informou a Geap. A operadora comemora a volta de quase mil beneficiários ao plano

Desde que foi lançado o Programa de Refinanciamento (Refis) , em maio, a Geap já realizou mais de seis mil negociações com beneficiários, que estavam inadimplentes ou em atraso, por um período superior a 90 dias. São oferecidos descontos de até 95%, dependendo do cenário de negociação.Essas negociações resultaram em um montante superior a R$  30 milhões, que a operadora irá receber, ao longo dos próximos meses.

O Programa de Refinanciamento de Dívida, Refis, foi lançado, pelo Conselho de Administração da Geap e executado pela diretoria da empresa.  Outra vantagem é o parcelamento do valor da entrada e do saldo remanescente. O Refis terá duração de seis meses.

A operadora ainda comemora a volta de quase mil beneficiários ao plano, após regularizarem suas pendências financeiras. Os beneficiários interessados no Refis podem comparecer às sedes da Geap, nas capitais brasileiras. A Central de Atendimento também é um canal de adesão. Ligando para o 0800 728 8300 e escolhendo a opção “Informações financeiras”, o beneficiário é informado sobre possibilidades e condições.

Sobre a Geap

A Geap é a maior operadora de saúde do servidor público federal. A união paga uma parcela da mensalidade e o servidor banca a maior parte. A empresa oferece planos, que cobrem procedimentos médicos e odontológicos, em todas as regiões do Brasil

*****
Fonte:http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/geap-incentiva-servidor-retornar-ao-plano-de-saude-com-refis/

Pedido de restituição de valores da desaposentação pelo INSS é ilegal e pode ser contestado na Justiça

20.07.2018
Do BLOG DO SERVIDOR/CORREIO BRASILIENSE, 
Por Vera Batista

A decisão de 2016 do Supremo Tribunal Federa (STF), que não reconheceu a desaposentação, seria o motivo para realizar as cobranças dos aposentados que conseguiram um aumento em seus benefícios mensais, por tutela antecipada

O Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) começou a pedir, por correspondência, a devolução dos valores recebidos por segurados que garantiram na Justiça a desaposentação – instrumento que permitia ao aposentado, que retornou ao mercado de trabalho, renunciar ao benefício pago pelo INSS e pedir o recálculo da aposentadoria, incorporando as contribuições e o tempo de serviço acumulados com o novo trabalho.

O advogado João Badari, especialista em Direito Previdenciário do escritório Aith Badari e Luchin Advogados, ressalta que essa cobrança do INSS é ilegal e indevida. “O INSS começou a cobrar de forma administrativa e isso é completamente ilegal, pois por se tratar de uma decisão judicial o órgão previdenciário deveria realizar essa cobrança através do Poder Judiciário”, explica.

Badari também reforça que o STF não realizou as modulações da decisão de 2016, entre elas a que definirá se será necessária a devolução ou não dos valores recebidos pelos segurados. “O INSS tem que esperar a decisão final do Supremo Tribunal Federal sobre a devolução ou não destes valores, onde o próprio Supremo Tribunal Federal já sinalizou que tal cobrança é indevida. Ou seja, esta cobrança do INSS neste momento e desta maneira é ilegal e arbitrária. O próprio judiciário entende que decisões mantidas por tribunais regionais federais não possuem cunho precário e não pode ser exigida sua devolução, na desaposentação tínhamos até mesmo decisão em recurso repetitivo do STJ.”

O especialista orienta que o segurado que receber qualquer pedido de restituição relativo ao processo de desaposentação pode contestá-lo na Justiça. “Cabe ao segurado questionar judicialmente qualquer cobrança do INSS relativa a devolução de valores derivados de decisões da desaposentação, ingressando com uma ação de inexigibilidade do pagamento ou até mesmo um mandado de segurança”, frisa

*****
Fonte:http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/pedido-de-restituicao-de-valores-da-desaposentacao-pelo-inss-e-ilegal-e-pode-ser-contestado-na-justica/

Geap provisiona mais de R$ 170 milhões para cobrir rombo

12.07.2018
Do BLOG DO VICENTE, 11.07.18
Por Vicente Nunes

Imagem relacionada

Maior plano de saúde de servidores públicos — são cerca de 450 mil associados —, a Geap provisionou mais de R$ 170 milhões para cobrir o rombo de caixa e evitar novos problemas com o órgão fiscalizador, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ASN). Havia o temor de que, sem esse provisionamento, a empresa entrasse em processo de liquidação.

Para contornar os problemas, a Geap renegociou contratos com mais de 17 mil prestadores de serviços em todo o país. Com isso, obteve descontos nas dívidas, reduzindo seu elevado passivo. O rombo da Geap chegou a passar dos R$ 300 milhões. Roberto Sérgio Fontenele Cândido, ex-presidente da companhia, disse que, sem um aporte de pelo menos R$ 130 milhões até junho último, a Geap fecharia as portas.

O balanço do primeiro semestre da Geap ainda não foi fechado. A expectativa é de que os números sejam consolidados nos próximos dias. Assim, será possível ver qual é a real situação da operadora. Em nota enviada ao Blog, a Geap diz que, segundo os “indicadores internos e, inclusive, dos indicadores da ANS, a Geap tem cumprido, com ampla folga, a primeira meta do Programa de Saneamento (Prosan) definido pelo órgão fiscalizador”.

“O resultado foi obtido com o envolvimento dos colaboradores da Geap em todo o Brasil”, ressalta a nota. “Os dados serão concretizados na próxima semana, quando acontecerá o encerramento contábil do primeiro semestre deste ano. Ao mesmo tempo, a Geap avança em números pelo Brasil. No último 29 de junho, inaugurou nova sede e celebrou convênio com o governo do Amapá. As novidades geraram surpreendente procura, ao longo desta semana, e trarão estatísticas positivas, ao fim de julho”, acrescenta.

A nota ressalta ainda que “a Geap é protagonista no mercado da saúde suplementar brasileiro, cuidando, hoje, de mais de 450 mil servidores públicos, entre federais e estaduais, em todas as regiões do Brasil. A essência da Operadora são os beneficiários e, por isso, o esforço coletivo continua, a fim de manter a perspectiva de crescimento ao longo dos próximos meses”.

*****
Fonte:http://blogs.correiobraziliense.com.br/vicente/geap-provisiona-mais-de-r-170-milhoes-para-cobrir-rombo/

GEAP DIVULGA NOTA EXPLICATIVA SOBRE MATÉRIA DO CORREIO BRASILIENSE

24.04.2018
Do BLOG DO VICENTE, 23.04.18
Resultado de imagem para GEAP  SAUDE FOTOS
A Direção Executiva da GEAP(DIREX) divulgou Nota Explicativa sobre a matéria publicada pelo Blog do Vicente, do Correio Brasiliense.
Eis a íntegra da Nota Explicativa:
O diretor executivo da Geap Autogestão em Saúde, Roberto Sérgio Fontenele Candido, empossado há três semanas, ao manifestar suas opiniões no ambiente corporativo da empresa, teve conhecimento de que o áudio dessa fala interna foi veiculado na imprensa. Nesse sentido, vimos esclarecer:
1) Quando se disse, genericamente, que os hospitais e médicos “roubam” os planos de saúde, quis tão somente, evidenciar o que a imprensa tem veiculado, frequente e nacionalmente, como, por exemplo, a Operação Mister Hyde (conduzida pelo MPDFT e PCDF), a qual flagrou profissionais e prestadores praticando superfaturamento nos preços de procedimentos, materiais e medicamentos, além de órteses e próteses.
2) A fala, ilegalmente gravada e divulgada, tinha a intenção de sensibilizar os colaboradores nas mais diversas áreas da corporação, distribuídos em todo o Brasil. O propósito era envolvê-los no processo de gestão, necessário ao atendimento dos dispositivos legais, quanto às reservas financeiras junto à Agência Reguladora, pois é nítido o abrangente processo de cooptação e manipulação de profissionais de seu corpo funcional, praticado por agentes externos. Por ora, cabe esclarecer que o recurso (no valor de 130 milhões) para compor a reserva técnica, determinada pela atual legislação, está apropriado e contabilizado para o cumprimento de tal finalidade.
A Geap possui uma carteira de beneficiários bem diversificada e complexa. Esse cenário amplia a responsabilidade dos atuais gestores que têm indicadores de gestão que podem ser melhorados significativamente. E caso sejam identificadas fraudes e outras atividades nocivas ao bom funcionamento institucional, os atuais gestores não medirão esforços para eliminar esse modelo predatório de práticas.
A Geap Saúde estima que essa fala mereça ser compreendida como um indicador positivo para todos os fornecedores – incluindo hospitais, clínicas, laboratórios, indústria farmacêutica, OPME, dentre outros -, ao reconhecerem que essa atitude do Diretor Executivo foi de uma postura sincera e de maturidade gerencial junto aos funcionários, mas também com o mercado e o governo, para que os serviços de saúde sejam mais qualificados e, merecidamente, geridos de maneira profissional. Queremos um Brasil com mais qualidade de vida e isso é possível se cada um dos entes reconhecer a sua corresponsabilidade.
Estimamos que a imprensa seja uma parceira nessa pauta, de modo a compartilhar aos beneficiários, governo e mercado, uma agenda positiva, informações qualificadas e esclarecimentos que favoreçam a toda sociedade.
Brasília, 12h12min
*****

Saiba como proteger seus dados e comprar na internet com segurança

05.02.2018
Do portal  CORREIO BRAZILIENSE, 
Por Augusto Fernandes – Especial para o Correio

No mês passado, dados pessoais de quase 2 milhões de clientes da Netshoes foram vazados. Especialistas falam dos cuidados a serem tomados para que os usuários do e-commerce protejam seus dados

A cada dia, as compras pela internet crescem em todo o país. Segundo informações do Consumo On-line no Brasil, pesquisa divulgada pelo SPC Brasil e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), entre junho de 2016 e junho de 2017, nove em cada 10 internautas fizeram ao menos uma compra na web. Para 43% dos entrevistados, o volume de compras feitas pela internet em 2017 aumentou com relação ao anto anterior.

Razões como preços mais baixos, economia de tempo, facilidade para comparar preços e comodidade fazem com que mais pessoas optem por adquirir um produto sem sair de casa. Os internautas, contudo, a partir do momento em que cadastram suas informações em sites de compras, correm o risco de ficar vulneráveis.

No dia 25 de janeiro, a Netshoes, uma das principais lojas on-line de artigos esportivos do Brasil, teve informações de 1.999.704 clientes vazadas, após a invasão de um hacker. O incidente de segurança expôs dados pessoais como nome, CPF, e-mail, data de nascimento e histórico de compras.

Entre os afetados, estão pessoas ligadas a órgãos públicos, como a Presidência da República, a Polícia Federal e a Câmara dos Deputados. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) recomendou à empresa tomar providências sobre o acontecido e não efetuar qualquer tipo de pagamento ao invasor, seja em moeda real, seja virtual. A Netshoes acatou o pedido e solicitou audiência com os membros do MPDFT a fim de estabelecer medidas que resolvessem o caso. 

Leia as últimas notícias do Distrito Federal 

O ocorrido reforça a necessidade de os usuários tomarem cuidado ao escolherem fazer uma compra pela internet. De acordo com o presidente da Associação Nacional de Defesa do Consumidor (Andecon), Rodinei Lafaete, os consumidores não podem economizar em medidas de segurança.

“As pessoas precisam tomar todo o tipo de cuidado possível, devem checar as informações quantas vezes for necessário. Se possível, ligar para o telefone da empresa para sanar dúvidas e confirmar algum dado ou compra. devem tirar print do site, para poder comprovar alguma informação futuramente. Nesse sentido, pecar pelo excesso não faz mal a ninguém”, recomenda.

Presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), Maurício Salvador aconselha o descarte de e-mails com anexos e links suspeitos e também a atenção às informações que aparecem na página. “É preciso observar se na página em que se está digitando os dados aparece a imagem de um cadeado, próximo ao link do site, e se o endereço começa por ‘https’”, indica. Em sites desse tipo, a comunicação é criptografada, o que eleva o grau de segurança das informações digitadas.

Lafaete aponta, contudo, que as medidas de prevenção dos internautas não são suficientes para garantir a segurança dos dados. Para ele, os sites são os principais responsáveis em proteger as informações dos clientes. “A partir do momento em que uma pessoa se cadastra no endereço eletrônico, ela estabelece um vínculo com a empresa, que se torna guardiã das informações cadastradas. São dados sigilosos e que não podem serem transferidos sem autorização do responsável. Se uma empresa se propõe a estabelecer um serviço, ela tem que ter a capacidade de gerir o site e fornecer segurança para os usuários”, pontua.

Os especialistas acreditam que até as páginas consideradas confiáveis estão suscetíveis aos perigos da internet. “Apesar de todos os cuidados que os consumidores tomam, eles sempre estarão em situação de vulnerabilidade. Para muitas empresas, investir em tecnologias de segurança é muito caro”, explica José Geraldo Tarin, diretor do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (Ibedec).

Para o presidente da Abcomm, independentemente do custo, é imprescindível o investimento a ser feito pelas empresas de e-commerce. “Toda empresa que armazena dados sensíveis dos consumidores precisa de um bom sistema de segurança. Recorrer a um serviço especializado não é caro, se comparado a outros gastos que a empresa tem. Para marcas reconhecidas mundialmente, esse é um bom investimento”, analisa.

Maurício Salvador esclarece ainda que as próprias empresas precisam orientar os funcionários. “Não adianta nada a instituição investir milhões em segurança e não oferecer treinamento adequado. Se isso não for feito, pode acontecer de o empregado contaminar o site com vírus ou deixar que uma pessoa cadastre uma senha fácil de ser descoberta”, orienta.

Mesmo com esses cuidados, Lafaete opina que é difícil ter um site 100% seguro nos dias de hoje. Segundo ele, ao vazar as informações da Netshoes, o hacker quis mostrar à empresa que o sistema de segurança não funciona da forma correta. “Os hackers estão um passo à frente em relação à tecnologia. Eles sempre vão encontrar um atalho para fazer esse tipo de crime”, lamenta.

Direitos

Usuários que têm dados pessoais vazados podem tomar providências contra a empresa, que também é passível de sofrer intimações jurídicas. “Os clientes podem pedir indenização, requisitar que os seus dados sejam excluídos do cadastro e entrar com ação de reparação de danos morais. Além disso, o Ministério Público pode fazer uma ação civil pública contra a empresa para saber se foi algo proposital ou se foi por problemas de segurança”, aponta o diretor do Ibedec.

Tarin também indica o registro do boletim de ocorrência, para ser apresentado ao SPC e ao Serasa. “Quem teve informações pessoais divulgadas ou perdeu algum documento pode fazer uma pré-notação nesses dois órgãos. Assim, se alguém tentar usar os dados de forma indevida, aparece o registro feito, dificultando a utilização dos documentos. Esse é um procedimento gratuito”, destaca.

Apesar da gravidade do incidente com a Netshoes, Salvador acredita que comprar on-line ainda é a melhor opção, pois os usuários evitam, inclusive, o risco de serem assaltados na rua. De acordo com dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Paz Social, nos últimos dois anos, roubos a pedestres aumentaram 21% em relação ao biênio anterior. Em 2014 e 2015, foram 61.895 crimes. O número subiu para 74.969 entre 2016 e 2017.

“As taxas de criminalidade aumentam a cada dia. Se os usuários seguirem as recomendações de segurança, comprar pela internet continua sendo recomendado até pela comodidade de receber o produto na porta de casa”, enfatiza.

****
Fonte:http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/02/05/interna_cidadesdf,657785/saiba-como-proteger-seus-dados-e-comprar-na-internet-com-seguranca.shtml

GEAP: CONSELHEIROS ELEITOS, DIVULGAM NOTA PÚBLICA CONTRA FALSO REAJUSTE DE 61%

11.12.2017
Do portal  CNTSS/CUT, 08.12.17
Por conselheiros eleitos do CONAD/CONFIS-GEAP

download

Nota pública dos conselheiros eleitos do Conad/Confis da Geap contra falso reajuste dos planos divulgado pela imprensa

Os Conselheiros eleitos da GEAP reiteram desconhecer os percentuais de 61% divulgados pelo Correio Brasiliense

Os conselheiros eleitos do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal da GEAP (Conad/Confis) e os próprios assistidos da GEAP foram surpreendidos, no dia 05 de dezembro, com a notícia publicada no Blog do Servidor, do Correio Brasiliense, assinado pela jornalista Vera Batista, informando que a GEAP iria reajustar em 61% os planos de saúde.

irineu-messias (1)
Irineu Messias, conselheiro eleito do CONAD/GEAP, mostrou-se indignado com a divulgação do falso reajuste de 61%. “Reiteramos nosso compromisso  de continuar lutando no CONAD,  mesmo que sejamos minoria, para que não seja aplicado nenhum reajuste abusivo que inviabilize a permanência  dos servidores na GEAP”

Queremos informar a todos que, até a presente data, a direção executiva da GEAP não apresentou quaisquer informações técnicas a respeito de qualquer tipo de reajuste para o ano de 2018. Sabemos que, por determinação legal, tal estudo terá que ser apresentado com antecedência. E o reajuste do plano precisar ser aprovado pelo CONAD até 30 dias antes da entrada em vigor. Até o dia 05 de janeiro de 2018 o percentual será definido, como preceitua a Agência Nacional de Saúde.

Nós, conselheiros eleitos, sempre atuamos na defesa dos direitos e interesses dos assistidos da GEAP, que por sua vez estão fazendo um grande esforço para se manter no plano, apesar dos reajustes abusivos praticados pela operadora e contra os quais nós, conselheiros, sempre votamos contra. Em razão desses reajustes abusivos, muitos assistidos foram “expulsos” da GEAP pela incapacidade de honrar com as mensalidades.

Portanto, queremos informar a todos servidores assistidos da GEAP, que nós conselheiros eleitos, desconhecemos os percentuais de 61% divulgados pelo Correio Brasiliense, visto que nenhum debate houve junto ao Conselho de Administração a respeito do reajuste.

O fato já foi desmentido pela própria GEAP em nota pública divulgada no mesmo dia 05 de dezembro no Correio Brasiliense. Contudo, mesmo assim, nós conselheiros eleitos, ficaremos atentos para que tais especulações não venham a ser confirmadas. Entendemos que um aumento de tal magnitude vai inviabilizar a sobrevivência da própria GEAP.

É evidente que a maioria absoluta dos servidores não teria condições de arcar com um aumento tão exorbitante e ainda mais agora com os seus respectivos salários congelados, em tese, por 20 anos, por Emenda Constitucional aprovada pelo Governo Temer. Além de postergar reajustes previstos para 2018, de várias categorias de servidores, muitas das quais, filiadas à GEAP.

Nós, conselheiros eleitos, reiteramos nosso compromisso de continuar lutando contra todo e qualquer reajuste abusivo que prejudique a permanência dos servidores nos planos de saúdes da GEAP.

Vamos continuar lutando para por em prática nossa carta programa, mesmo sendo minoria no Conselho de Administração (o governo Temer dispõe do voto de minerva).

O programa pelo qual fomos eleitos reafirma, entre outros pontos, nosso compromisso de VOTAR CONTRA QUALQUER REAJUSTE ABUSIVO, além de defender um maior aporte financeiro por parte da União, visto que hoje, a GEAP é MAJORITARIAMENTE sustentada pelos servidores (77%).

E para nos ajudar a implementar nossa carta programa, contamos com o apoio de nossas entidades nacionais sindicais e classistas, CNTSS/CUT, ANASPS, CONDSEF e FENADADOS.

Sabemos que a luta por uma GEAP cada vez melhor, não depende apenas dos Conselheiros eleitos e de suas respectivas entidades. Por isso, conclamamos TODAS as entidades do funcionalismo federal a se juntar conosco nesta luta por um novo modelo de sustentabilidade financeira e por uma GEAP cada vez mais voltada para os interesses de todos seus assistidos.

Em reunião, no semestre passado, com a presidência do CONAD e com a Direção Executiva da GEAP, exigimos que a operadora inicie imediatamente um debate permanente com os conselheiros eleitos e suas respectivas entidades nacionais.

É necessário que se inicie imediatamente um debate conjunto para a implementação de um novo modelo de sustentabilidade financeira. A implantação desse modelo, certamente evitará a aplicação de sucessivos reajustes abusivos que tanto tem prejudicado os assistidos e a própria GEAP.

No mais, companheiros e companheiras, continuamos lutando por uma GEAP cada vez melhor para todos nós assistidos!

Brasília, 08 de dezembro de 2017.

Conselheiros eleitos:

Irineu Messias de Araujo. CONAD

Manoel Ricardo Palmeira Lessa. CONAD

Ivete Vicentina de Amorim. CONAD

Ricardo Luiz Dias Mendonça. CONAD

Elienai Ramos Coelho. CONAD

Leonardo Alexandre Silveira Barbosa. CONAD

Socorro Lago Martins. CONFIS

Maria das Graças de Oliveira. CONFIS

Deusa Maria Duarte. CONFIS

Hervécio Cruz. CONFIS

LEIA MAIS:

CORREIO BRASILIENSE: Resposta da Geap sobre aumento nas mensalidades dos planos de saúde

SINDSPREV/PE: Nota pública dos conselheiros eleitos do Conad/Confis da Geap contra falso reajuste dos planos divulgado pela imprensa

Geap desmente informação falsa sobre reajuste absurdo de 61% nos seus planos de saúde
*****
Fonte:http://cntsscut.org.br/destaques/2982/nota-publica-dos-conselheiros-eleitos-do-conad-confis-da-geap-contra-falso-reajuste-dos-planos-divulgado-pela-imprensa