Aécio, o verdadeiro mensaleiro

03.05.2017
Do portal BRASIL247, 12.04.17
Por ESMAEL MORAIS

Pedro França/Agência Senado

Esqueça tudo que você viu, leu ou ouviu nos últimos anos — as fake news da velha mídia — acerca de “mensaleiros”, pois, segundo delações da Odebrecht, o verdadeiro mensaleiro era o senador e presidente nacional do PSDB Aécio Neves (MG).

Os delatores da empreiteira afirmaram que “Mineirinho”, o codinome de Aécio, recebia mesadas que variavam de 1 milhão de reais a 2 milhões de reais. Ou seja, pelo valor poder-se-ia ser classificado de “mensalão”.

Não há a pretensão ou vocação desta página pelo vestalismo. Pelo contrário. Somente o registro do falso moralismo que tomou conta da velha mídia e da velha oligarquia política do país.
Voltemos ao mensalão de Aécio.

Segundo o colaborador Henrique Valladares, o mensaleiro Aécio recebia religiosamente a mesada da Odebrecht. Os executivos da empreiteira apresentaram provas documentais de pagamento de propina ao presidente nacional do PSDB e a seus aliados políticos nos estados.

Não é à toa que o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, autorizou nesta terça (11) a abertura de cinco inquéritos para investigar Aécio.

E não é que Aécio e demais golpistas saíram às ruas para protestar contra a corrupção em passado recente? haja cinismo…

Grosso modo, é o típico filme cujo final o “mocinho” era, na verdade, o “bandido” e o “bandido” era o “mocinho”. É a vida imitando a arte.
****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/colunistas/esmaelmorais/290099/A%C3%A9cio-era-o-verdadeiro-mensaleiro.htm

O caso das APAEs e a esposa de Sérgio Moro

01.05.2017
Do BLOG DO MIRO, 30.04.17

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Circula na Internet um vídeo editado de palestra que proferi no mês passado em um evento em São Paulo. O vídeo é fiel ao que eu disse. Mas o título e o texto podem induzir a conclusões taxativas que não fiz ou passar a ideia de que o vídeo faz parte dessas guerrilhas que ocorrem periodicamente em redes sociais. As informações foram divulgadas em 2014 e 2015. Estão sendo agitadas agora.

O trecho em questão faz parte de um seminário no mês passado, do qual participei com a colega Helena Chagas.

Limitei-me a apontar indícios, indícios fortes, sem dúvida, que merecem ser investigados, mas não acusações frontais.

Aqui, o que falei sobre o tema, não editado.

A história é a seguinte.

Historicamente, as APAEs (Associações de País e Amigos de Excepcionais) fizeram-se contando, na ponta, com cidadãos bem intencionados, mas passando a trabalhar com recursos públicos, sem prestar contas para os órgãos formais de controle.

Essas liberalidades abriram espaço para desvios e uma utilização política da estrutura das APAEs, através da Confederação e das Federações estaduais de APAEs, incluindo a do Paraná.

Na sua gestão, o ex-Ministro da Educação Fernando Haddad decidiu assumir a tese da educação inclusiva – segundo a qual, o melhor local para desenvolvimento de crianças com necessidades especiais seria as escolas convencionais, convivendo com crianças sem problemas.

Sabendo da resistência que seria feita pelas APAEs – já que a segregação de crianças com deficiência, apesar de tão anacrônica quanto os antigos asilos para tuberculoses, é o seu negócio – Haddad pensou em um modelo de dupla matrícula: a escola pública que acolhesse um aluno com deficiência receberia 1,3 vezes o valor original da matrícula; e uma segunda matrícula de 1,3 se houvesse um projeto pedagógico específico para aquela criança. Imaginava-se que essa parcela seria destinada à APAE de cada cidade, atraindo-a para os esforços de educação inclusiva.

As APAEs mais sérias, como a de São Paulo, aderiram rapidamente ao projeto, sabendo que a educação inclusiva é pedagogicamente muito superior ao confinamento das pessoas, tratadas como animais.

O jogo das Federações de APAES foi escandaloso. Trataram de pressionar o Congresso para elas próprias ficarem com as duas matrículas, preservando o modelo original.

O ápice desse jogo é a proposta do inacreditável senador Romário, nesses tempos de leilão escancarado de recursos públicos, visando canalizar para as APAEs e Institutos Pestalozzi todos os recursos da educação inclusiva.

É um jogo tão pesado que, na época da votação do Plano Nacional da Educação, a própria Dilma Rousseff pressionou senadores a abrandar a Meta 4, que tratava justamente da educação inclusiva, com receio de que as APAEs do Paraná boicotassem a candidatura da então Ministra-Chefe da Casa Civil Gleise Hoffmann.

O caso do Paraná

Comecei a acompanhar o tema através da procuradora da República Eugênia Gonzaga, uma das pioneiras da luta pela educação inclusiva.

Em 2002, Eugenia levantou princípios constitucionais – do direito à educação – para forçar o poder público a preparar a rede para crianças com deficiência. Na ocasião, foi alvo de 3.500 ações judiciais de APAEs de todo o país.

No auge da pressão política das APAEs, ainda no governo Dilma, decidi investigar o tema.

As APAEs tem dois lobistas temíveis. A face “boa” é a do ex-senador Flávio Arns, do Paraná; a agressiva de Eduardo Barbosa, mineiro, ex-presidente da Federação das APAEs, que pavimentou sua carreira política com recursos das APAEs.

Uma consulta ao site da Secretaria da Educação do Paraná confirmou o extraordinário poder de lobby das APAEs. O então Secretário de Educação Flávio Arns direcionou R$ 450 milhões do estado para as APAEs, com o objetivo de enfrentar a melhoria do ensino inclusivo da rede federal.

No próprio site havia uma relação de APAEs. Escolhi aleatoriamente uma delas, Nova California.

Indo ao seu site constatei que tinha um clube social, com capacidade para 2.500 ou 4.500 pessoas; uma escola particular. Tudo em cima das isenções fiscais e dos repasses públicos dos governos federal e estadual.

O argumento era o de que o clube era local para os professores poderem confraternizar com a comunidade; e a escola privada para permitir aos alunos com necessidades especiais conviverem com os demais.

Telefonei para a escola. Não havia ninguém da direção. Atendeu uma senhora da cozinha. Indaguei como era o contato dos alunos com deficiência e os da escola convencional. Respondeu-me que havia um encontro entre eles, uma vez por ano.

A república dos Arns

As matérias sobre as APAEs, especialmente sobre o caso Paraná, tiveram desdobramentos. Um dos comentários postados mencionava o controle das ações das APAEs do estado pelo escritório de um sobrinho de Flávio, Marlus Arns.

Entrei no site do Tribunal de Justiça. Praticamente toda a ação envolvendo as APAEs tinha na defesa o escritório de Marlus.

Uma pesquisa pelo Google mostrou um advogado polêmico, envolvido em rolos políticos com a Copel e outras estatais paranaenses, obviamente graças à influência política do seu tio Flávio Arns.

Quando a Lava Jato ganha corpo, as notícias da época falavam da esposa de Sérgio Moro. E foi divulgada a informação de que pertencia ao jurídico da Federação das APAEs do estado.

Por si, não significava nada.

No entanto, logo depois veio a dica de um curso de direito à distância, de propriedade de outro sobrinho de Flávio Arns, irmão de Marlus, o Cursos Online Luiz Carlos (http://www.cursoluizcarlos.com.br). No corpo docente do cursinho, pelo menos um da força tarefa da Lava Jato.

Finalmente, quando Beatriz Catta Preta desistiu de participar dos acordos de delação, um novo elo apareceu. Até hoje não se sabe o que levou Catta Preta a ser tão bem sucedida nesse mercado milionário. Nem o que a levou a sair do Brasil. Mas, saindo, seu lugar passou a ser ocupado justamente por Marlus Arns que, pouco tempo antes, escrevera artigos condenando o instituto da delação premiada.

São esses os elementos de que disponho.

Recentemente, fui convidado pela Polícia Federal para um depoimento em um inquérito que apura um suposto dossiê criado pela inteligência da PF supostamente para detonar com a Lava Jato – conforme acusações veiculadas pela Veja.

Fui informado sobre o dossiê na hora do depoimento. Indagaram se eu tinha tomado conhecimento das informações.

Informei que o dossiê tinha se limitado a reproduzir os artigos que escrevi acerca da República dos Arns.

http://jornalggn.com.br/noticia/a-historia-do-novo-campeao-das-delacoes-premiadas 10/8/2015

http://jornalggn.com.br/noticia/a-lava-jato-e-a-influente-republica-dos-arns de 1/10/2015

******
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com.br/2017/04/o-caso-das-apaes-e-esposa-de-sergio-moro.html

GOLPISTAS SEM MORAL:Violaram o PSDB

19.04.2017
Do portal BRASIL247
Por HENRIQUE MATTHIESEN

Valter Campanato/Agência Brasil

Uma das organizações políticas mais “castas” da política nacional, que historicamente se posta hipocritamente como “virgens engomadinhas” acaba de ser violada pelo ministro do STF, Edson Fachin.

Devassada em seu puritanismo cínico, o ninho tucano vê sua sujidade não mais protegida pelo monopólio de apoio midiático e judiciário, enfim a máscara começa cair nos voos rasteiros da tucanada.

O pedido de investigação por supostos atos de corrupção ativa, passiva, desvio de dinheiro, entre outros crimes, de quase toda cúpula tucana, mostra que o discurso de bastiões da ética, sustentáculos da moralidade, ícones da decência, personificação da probidade, não passa de uma alegoria mentirosa de seus líderes.

Moralistas sem moral, o todo poderoso príncipe da sociologia pátria, ou da privataria, o professor de Higienópolis participa agora da investigação, sim o ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso, além de ter quebrado o Brasil, ter comprado a reeleição, está sendo investigado por fazer “caixa dois”.

Paladino da descortesia, bufão da República, o “mineirinho” presidente Nacional do PSDB que é amigo dos “heróis” da República de Curitiba também se vê agora todo enrolado nas mais diversas práticas corruptivas. O semeador de ódio, agora, pede calma em vídeos patéticos.

Descortina-se também a fortuna do “vizinho” justamente ele que escreve Brasil com “Z”, essa figura singular de nossa política que tem ojeriza contra o patrimônio nacional, em especial contra a Petrobrás.

Outro que sempre se beneficiou da blindagem midiática cai no estafo político, trata-se do “Santo” que segundo relatos, utilizou-se do cunhado para receber propinas para suas campanhas eleitorais, finalmente alguma fissura se abre na caixa preta dos governos tucanos, em São Paulo.

Não olvidemos do coronel da Paraíba, do Aluisio 500mil, do Dengo de MG, entre outros, e também o senhor Doria do “panamá papers”.
Enfim, que moral tem o discurso, as argumentações destes golpistas que se locupletam da corrupção do sistema político brasileiro? Que cinismo e chocarreiros fantasiados de limpinhos, nas manifestações anticorrupção?

Esse é o Brasil real, pois a crise mais profunda deste país é a crise de valores. A corrupção está no DNA dos herdeiros das capitanias hereditárias, que sempre viram o Brasil como um lugar para saquearem, se enriquecerem e se hipocrizarem.

O ninho tucano está mofado de sujeira, afinal foi violado, caiu uma das últimas “virgens” de nossa política.

*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/colunistas/henriquematthiesen/291141/Violaram-o-PSDB.htm

Moro defende Temer de indícios de acusações de Eduardo Cunha

14.02.2017
Do portal JORNAL GGN, 13.02.17
Por Patrícia Faermann

 
Jornal GGN – Ao negar a liberdade da prisão preventiva ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB), o juiz de primeira instância da Operação Lava Jato, Sergio Moro, defendeu o presidente Michel Temer, como suposta vítima de “reprovável tentativa de intimidação”. Em mais de treze páginas, defendeu-se ainda das críticas contra as prisões, e inverteu os indícios de acusação de Cunha contra o presidente e sua cúpula como tentativas de “pressão política”.
 
Moro utilizou o despacho em que decide manter a prisão de Eduardo Cunha como mecanismo de defesa à ele e à Michel Temer, e de resposta às críticas das prisões da Operação Lava Jato, feitas mais recentemente por Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).
 
Ainda que sem citar o nome do ministro, o despacho do juiz contestou a declaração, na última terça-feira (07), de que o Supremo necessita discutir e se posicionar sobre “as alongadas prisões que se determinam em Curitiba”, “tema que conflita com a jurisprudência que desenvolvemos ao longo desses anos”.
 
“É certo, tem havido muita mistificação em torno das prisões preventivas no âmbito da Operação Lavajato. (…) Setenta e nove prisões preventivas, em quase três anos, é um número significativo, mas outros casos de investigações rumorosas, como a chamada Operação Mani Pulite envolveram número muito superior de prisões provisórias, cerca de oitocentas prisões preventivas nos três primeiros anos, entre 1992 e 1994, somente em Milão, contagem muito superior das setenta e nove referidas”, defendeu Moro.
 
Com base na italiana Operação Mãos Limpas, como já o faz desde o início das investigações, há mais de dois anos, o magistrado da primeira instância contrariou Gilmar Mendes, afirmando que “não procede, portanto, a crítica genérica às prisões preventivas decretadas na Operação Lavajato pelo menos considerando a quantidade delas”.
 
Em seguida, em um despacho que deveria invocar apenas os argumentos específicos para decidir se mantém ou não Cunha na penitenciária de Curitiba, Sergio Moro realiza uma defesa fervorosa de suas polêmicas prisões. Para isso, apela à generalização da opinião pública sobre o tema, com relação à impunidade dos crimes de colarinho branco e políticos, e destaca de forma envaidecida:
 
“A questão real ­ e é necessário ser franco sobre isso ­ não é a quantidade, mas a qualidade das prisões, mas propriamente a qualidade dos presos provisórios. O problema não são as setenta e nove prisões ou os atualmente sete presos sem julgamento, mas sim que se tratam de presos ilustres, por exemplo, um dirigente de empreiteira, um ex­-Ministro da Fazenda, um ex-Governador de Estado, e, no presente caso, um ex-­Presidente da Câmara dos Deputados. Mas, nesse caso, as críticas às prisões preventivas refletem, no fundo, o lamentável entendimento de que há pessoas acima da lei e que ainda vivemos em uma sociedade de castas, distante de nós a igualdade republicana.”
 
Nessa mesma linha, ignora o que impõe o código penal para prisões preventivas e temporárias, de que a medida é necessária em casos de que a liberdade dos investigados apresentaria alguma ameaça ou risco às investigações: “este Juízo tem invocado a necessidade de decretar a preventiva para resguardar a ordem pública, protegendo a sociedade, outros indivíduos e os cofres públicos da prática serial e reiterada desses crimes”, afirma.
 
Mas apenas surgem, para Moro, “pontualmente, outros fundamentos, como a necessidade de preservar a aplicação da lei, prevenindo fuga ou a dissipação do produto do crime, ou a necessidade proteger a investigação ou a instrução contra destruição ou manipulação de provas”.
 
Em seguida, traz um histórico de argumentações que levaram à prisão o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef, o ex-presidente da UTC Engenharia Ricardo Pessoa, e dirigentes da Odebrecht. E então, somente na página 8 do despacho é que Moro argumenta sobre o caso em questão, de Eduardo Cunha.
 
Entre os pontos elencados, Moro recorreu à a decisão de Teori Zavascki para o afastamento de Cunha da Presidência da Câmara e exercício legislativo, que à época apontou a postura do parlamentar de extorsão, ameaça e intimidações – não contextualizada no despacho pelo juiz, mas que faziam referência às atuações de Cunha dentro da Câmara com demais parlamentares.
 
De forma frágil e sem sustentação, o magistrado do Paraná relacionou os argumentos de Teori com o recente envio de perguntas por Eduardo Cunha ao presidente Michel Temer. De forma contrária ao que vem adotando, de aproveitar depoimentos e delações de investigados para se chegar a outras pessoas, Moro não apenas desconsiderou as possíveis acusações de Cunha à cúpula do PMDB e à Michel Temer, como as chamou de “reprovável tentativa de intimidação da Presidência da República”.
 
Uma das estratégias de defesa de Eduardo Cunha era provar que, se ele era um dos responsáveis por comandar o esquema de corrupção dentro do PMDB na Petrobras, o então presidente da sigla, Michel Temer, deveria ser também responsabilizado na Lava Jato, por comandar as indicações, decisões e influências do partido.
 
Em depoimento prestado na última terça (07), na Justiça Federal em Curitiba, Cunha confirmou a sua teoria, acusando o ex-presidente de organizar as reuniões que decidiam sobre indicações e, portanto, em possíveis envolvimentos da sigla em corrupção nas empresas. “Tudo era reportado, sabíamos de tudo e de todos”, resumiu, na semana passada.
 
Ainda que sem entrar no mérito de entender por quais motivos o peemedebista enviava aquelas perguntas a Temer, se realmente poderiam ter relação com as acusações dirigidas a Eduardo Cunha na Lava Jato, Moro barrou a defesa e automaticamente defendeu o presidente da República:
 
 
Moro seguiu no efeito reverso de interpretação, com o intuito de manipular as tentativas de defesa do deputado cassado Eduardo Cunha, criminalizando-o por elas: “Depois de tal comportamento processual, revogar a preventiva de Eduardo Cosentino da Cunha poderia ser interpretada erroneamente como representando a capitulação deste Juízo a alguma espécie de pressão política a qual teria sofrido em decorrência do referido episódio”, disse.
 
E ainda apontou: “Esclareça-­se, para evitar mal entendidos, que pressão política, perante este julgador, não houve nenhuma, o que, contudo, não torna menos reprovável a tentativa do acusado de obtê­-la”.
 
Abaixo, a íntegra do despacho de Sérgio Moro:
 

*****
Fonte:http://jornalggn.com.br/noticia/moro-defende-temer-de-indicios-de-acusacoes-de-eduardo-cunha

A hipocrisia de Globo, Folha e Aécio Neves na questão dos presídios

10.01.2017
Do blog O CAFEZINHO 
Por Pedro Lorenzi Breier

(A troça com os direitos humanos de repente perdeu a graça)

Por Pedro Breier, colunista político do Cafezinho

A onda de chacinas nos presídios brasileiros que abriu tragicamente 2017 transformou, não mais que de repente, os maiores representantes da direita brasileira em defensores dos direitos humanos.

Globo e Folha, em editoriais (aqui e aqui), e Aécio Neves, em sua coluna na Folha (aqui), deram um espetáculo de hipocrisia ao proporem soluções para que os massacres de presos não se repitam.

A Globo informa que “Dos mais de 600 mil condôminos das penitenciárias, 40% deles são presos provisórios, pessoas que, antes mesmo de serem julgadas, já amargam o cumprimento de penas que sequer se sabe se serão confirmadas em juízo.”

Só depois de tragédias horríveis como essas os Marinho perceberam o quão absurdo é o número de presos provisórios no país?

Na hora de fazer populismo penal para destruir os adversários políticos, como acontece desde 2014 na Lava Jato, as prisões provisórias são justas?

Sérgio Moro, provavelmente o juiz que mais manda prender provisoriamente no país, foi transformado em herói exatamente pela Globo, auxiliada, é claro, pelos demais integrantes do cartel midiático nacional, entre eles a Folha.

O jornal dos Frias citou relatórios que apontaram a precariedade das instalações, as péssimas condições para ressocialização e a falta de assistência jurídica e de saúde aos detentos no presídio de Manaus onde ocorreram 56 mortes. E defendeu penas alternativas e mudanças no enfoque prisional:

Esta Folha há mais de 15 anos defende a segunda via. Entende que a lei deveria evoluir no sentido de reservar a prisão a criminosos que recorrem a violência ou grave ameaça; os demais, cuja liberdade não representa perigo à sociedade, poderiam cumprir pena alternativa, desde que suficientemente dura e proporcional ao delito.

É uma ironia macabra.

Para derrubar o governo escolhido pelas urnas em 2014, o oligopólio midiático alimentou como nunca o pensamento de extrema direita da população.

As sugestões da Folha para evitar novos massacres, se propostas no meio de uma das micaretas coxinhas que foram convocadas pela mídia familiar e usadas para justificar o golpe, certamente provocariam reações iradas e violentas. Afinal, penas alternativas e condições dignas para presos é coisa de “defensor de bandido” para a esmagadora maioria do exército de zumbis midiáticos.

Aécio Neves, que já foi acusado de provocar a prisão arbitrária de jornalistas desafetos, também cita, em seu artigo, a proporção de presos provisórios e diz que “prisão deve ser lugar de justiça, não de vingança da sociedade”.

Aécio nem precisou defender isso para ser escorraçado da última marcha coxinha da qual tentou participar.

O sensacionalismo penal, as prisões midiáticas, a transformação de justiceiros em heróis, a ridicularização dos ativistas dos direitos humanos, a farsa do “país da impunidade”, a ausência de debate e reportagens sobre as condições desumanas das prisões e até mesmo a falta de moderação dos comentários abertamente fascistas nos portais geraram uma horda de defensores do “bandido bom é bandido morto” (dependendo do bandido, é claro).

Chamar de hipócrita quem vira defensor dos direitos humanos só depois do desastre consumado é pegar leve demais. É canalhice mesmo.

*****
Fonte:http://www.ocafezinho.com/2017/01/10/hipocrisia-de-globo-folha-e-aecio-neves-na-questao-dos-presidios/

Trensalão do PSDB: três anos e nenhum condenado Cartel no metrô de SP foi denunciado em 2013

25.12.2016
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim

Três anos de investigações e nenhum preso por cartel dos trens em SP

Investigado há três anos, o esquema de formação de cartel em contratos de trem e metrô do governo do Estado de São Paulo não levou ninguém para a prisão até agora. O Ministério Público denunciou cerca de 30 pessoas, entre empresários, lobistas e ex-funcionários das estatais paulistas que cuidam do transporte sobre trilhos em oito processos diferentes. Já as ações que investigam a participação de políticos no esquema não provocaram a acusação formal de nenhuma pessoa.

(…) O cartel dos trens foi descoberto após uma mudança no comando da multinacional Siemens, que decidiu assinar um acordo de leniência com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 2013, denunciando as irregularidades que aconteceram desde 1995, durante os governos dos tucanos Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.

(…) A Siemens combinava, com outras empresas, como a Alston, a Bombardier, a Mitsui e a Tejofran, o resultado das licitações de contratos para reformas de vagões e equipamentos utilizados na operação dos trens. Emails apreendidos com executivos dessas empresas mostram que valores, parcerias e contratações de empresas menores eram acertadas previamente. Executivos e funcionários públicos recebiam propina para garantir o funcionamento do esquema, segundo a investigação. Só nas cinco primeiras ações, estima-se que R$ 557 milhões foram desviados para pagar os acordos irregulares.

“É quase impossível que essas empresas tenham ganhado as licitações daquele jeito sem apoio político. Analisando os documentos dessas licitações, fica claro que há uma combinação e acho pouco provável que quem trabalha diretamente com isso não perceba”, afirma Mendroni. O promotor diz acreditar que ainda existam carteis atuando no governo de São Paulo, de forma mais sofisticada do que fizeram nas últimas décadas.

*****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/economia/trensalao-do-psdb-tres-anos-e-nenhum-condenado

Desmontando o “lawfare”! Quem é o corruptor?

18.12.2016
Do blog O CAFEZINHO

fab

Wellington Calasans, colunista internacional do Cafezinho, em Estocolmo – Suécia

A caçada insana contra Lula tem mais um capítulo de bizarrice. Desta vez a acusação é de tráfico de influência para tirar vantagens com a empresa sueca SAAB.

A denúncia é tão vazia e irresponsável que acusam Lula, mais uma vez sem provas, de ter feito algo quando ele sequer estava no governo na época em que a decisão de comprar os caças suecos foi tomada.

Era pública, na época, a preferência dos militares brasileiros pelos caças suecos da SAAB, Gripen NG. Acompanhei, daqui da Suécia, todas as etapas que culminaram com a aquisição dos caças. Entrevistei de Celso Amorim a Aldo Rebelo. Entrevistei duas ministras suecas envolvidas na negociação. Fui à cerimônia de posse do Adido Militar e acompanhei a visita de Dilma Rousseff quando o acordo foi assinado.

Toda a transação, como tudo aqui na Suécia, está disponível publicamente. É preocupante que a justiça brasileira se preste a este papel. Se houvesse corrupção seria de quem queria vender, nesse caso a SAAB.

Entrei em contato imediatamente com a assessoria de imprensa da fabricante dos caças e recebi a seguinte resposta:

“Olá Wellington,

Segue abaixo o posicionamento da Saab sobre o assunto:

A Saab tem uma política rigorosa para regular seus negócios e relacionamentos.

Nossas operações ocorrem num ambiente de forte concorrência e, por isso, devem ser obrigatoriamente conduzidas de forma correta e com o mais alto padrão de qualidade.

Sempre cooperamos com autoridades investigativas para garantir um negócio honesto e correto, decidido com base em qualidade e preço.

Ressaltamos que não há denúncias contra a Saab ou contra qualquer um de nossos colaboradores.

Um abraço…”

Em recente entrevista que fiz com o cientista político Moniz Bandeira, ele reforçou a tese da defesa de que Lula é vítima da estratégia de guerra “lawfare”. Alguém ainda tem dúvida disso?

É preciso ser, no mínimo, ingênuo para acreditar que Lula fora do governo iria influenciar no maior investimento já realizado pela Defesa Nacional e pediria os valores irrisórios citados na acusação.

A ala progressista brasileira precisa reagir a mais uma tentativa de criminalizar Lula. Depois de tirarem Dilma sem crime o alvo agora é Lula. Os próximos serão os partidos de esquerda. Reajam!

*****
Fonte:http://www.ocafezinho.com/2016/12/18/desmontando-o-lawfare-quem-e-o-corruptor/