Encontro Nacional da CNTSS no Recife definiu mobilizações para 8 e 15 de março

13.02.2017
Do portal do SINDSPREV/PE, 10.02.17

A CNTSS se reuniu com sindicatos para traçar estratégias de articulação para este ano. Segundo o presidente da Confederação, Sandro César, se o governo continuar se recusando a negociar com a categoria, pode haver greve.

CLIQUE PARA AMPLIARCLIQUE PARA AMPLIAR

O primeiro Encontro e Plenária Nacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social (CNTSS) aconteceu, nesta sexta-feira (10/02) e sábado (11/02), no Centro de Formação e Lazer (CFL) do Sindsprev-PE, no Recife. O encontro reuniu 80 representantes de sindicatos de sindicatos da base do Rio de Janeiro, Alagoas, Paraíba, Bahia, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, São Paulo, Maranhão e Pernambuco.

A CNTSS e as entidades sindicais reuniram-se para estabelecer os próximos passos na luta contra as decisões arbitrárias do governo golpista de Michel Temer, incluindo a Extinção do Ministério da Previdência Social e a implantação da Reforma da Previdência. 

Entre os encaminhamento definidos, estão as manifestações do dia 8 de Março: Dia Nacional de Mobilizações sobre os prejuízos da reforma da Previdência para as mulheres. E no dia 15 de março: Dia Nacional de Paralisação contra a reforma da Previdência.

O Sindsprev-PE vai realizar seminários regionais e mobilizações nos locais de trabalho em todo o estado, visando esclarecer e protestar contra a reforma da Previdência do governo federal e organizar os preparativos para a greve do dia 15 de março. 

Após a abertura feita pelo presidente da CNTSS, Sandro César, as atividades começaram, na manhã da sexta ((10), com a análise da conjuntura política e econômica do país com o professor José Henrique Artigas Godoy, doutor em Ciências Políticas  pela Universidade de São Paulo (USP) e docente da Universidade Federal da Paraíba.

A palestra detalhou as perspectivas, alternativas e responsabilidades dos cidadãos e, particularmente, dos movimentos sociais organizados e centrais sindicais no combate às reformas antissociais do governo Temer e na recomposição da ordem democrática e das instituições no país.

” Durante o transcurso deste ano, teremos grandes debates que colocam em risco o conjunto das liberdades e direitos construídos com muita luta durante os últimos 30 anos. Neste momento, nós temos a possibilidade de ver uma grande retroação no conjunto dessa plataforma de direito e, certamente, os sindicatos e centrais têm que estar preparados para resistir frente a essa pressão conservadora que favorece as classes dominantes e prejudica os trabalhadores, mas também para preparar uma reação no sentido de recomposição das forças progressistas e da garantia de preservação dos direitos da classe trabalhadora ” , destacou o especialista. 

Ainda segundo Godoy, a crise econômica, política e institucional que assola o Brasil só será revertida através da luta dos trabalhadores. ” Sinceramente, acho que em um prazo curto nós teremos muita dificuldade de reação, mas acredito na possibilidade das classes trabalhadoras retomarem a posição progressista que vinham atribuindo aos governos de Lula e Dilma. Claro, é preciso muita organização e preparação para a luta.

Temos que estar preparados para as responsabilidades que o sindicalismo terá porque não será apenas para o primeiro semestre de 2017, mas para os próximos anos. Não tenho dúvida de que nós retomaremos nossos direitos e conseguiremos imprimir uma reforma democrática e popular para o nosso país, seja no âmbito econômico ou na garantia de uma participação mais equitativa dos trabalhadores na distribuição do poder político ” .

Para o coordenador do Sindsprev-PE, José Bonifácio do Monte, o ano será intenso, mas haverá reação. ” Estamos reunidos para podermos fazer a luta dos trabalhadores. Esse ano vai ser difícil por conta das reformas que o Governo Federal está implantando, falo da trabalhista e da previdência, mas também por conta do desemprego. Os especialistas políticos e econômicos disseram que a taxa já é de 22% e pode chegar a mais de 30% até o final do ano. A perspectiva é muito ruim, mas estamos nos organizando para deixar o movimento cada vez mais forte ” , declarou.

CLIQUE PARA AMPLIAR
Irineu Messias, durante o evento da Cntss/CUT

CLIQUE PARA AMPLIAR

Os participantes foram divididos em dois grupos: Um da Saúde e do Trabalho e outro do INSS e da Previdência. Após os debates foram apresentadas propostas para a pauta unificada de reivindicações da Campanha Unificada dos Servidores Federais, que deve ser válida para os anos de 2018 e 2019. No segundo momento (sábado) as propostas de cada grupo foram discutidas e aprovadas por todos os participantes.

CLIQUE PARA AMPLIARCLIQUE PARA AMPLIAR
 
ENTREVISTA// SANDRO CÉSAR 
Presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social 

– Qual a relevância de plenárias como esta para a atual conjuntura do país?
Sabemos da dificuldade do cenário político e econômico que o Brasil atravessa, entretanto, é papel da Confederação e dos seus sindicatos organizar os trabalhadores para fazer a luta necessária para garantir o avanço dos direitos da categoria. A perspectiva é que possamos sair daqui organizados para fazer o enfrentamento da Reforma da Previdência, bem como iremos elencar estratégias necessárias para lançar a campanha salarial do ano de 2017. Se não houver avanço no processo de negociação, com certeza vamos tomar medidas mais drásticas.

– De acordo com o professor doutor José Artigas, não há previsão favorável a curto prazo. Podemos nos preparar para uma possível greve? 
Com certeza. Óbvio que não é o desejo dos trabalhadores, mas é uma necessidade frente ao endurecimento do outro lado, do lado do governo, que muitas vezes se nega a negociar. No caso específico da categoria federal, em janeiro deste ano, acabou o acordo firmado nos últimos dois anos e não temos garantia de nada firmado para o ano que vem. Vamos nos organizar a fim de coquistar a reposição da inflação e o plano de carreiras.

– Qual o maior desafio para os próximos meses?
O grande desafio para o servidor público  este ano é barrar a Reforma da Previdência, é a nossa luta chave. Temos que impedir a aprovação dessa reforma. Ela retira direito dos trabalhadores e coloca o Brasil em uma situação extremamente complicada, como o único país do mundo que terá aprovado uma Reforma na Previdencia em que a expectativa de benfício é pós-morte. Os trabalhadores têm que ter ciência do que está acontecendo, e eu acredito que boa parte tem e já está debatendo o tema. Vamos combater a Reforma da Previdência para as pessoas terem direito à aposentadoria.
 

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO NA ÍNTEGRA
Sexta-feira (10.02)

Manhã
– Mesa de Abertura

Presidente da CNTSS – Sandro Alex
 
– Análise de Conjuntura
José Henrique Artigas Godoy
Tarde
– Debate na Plenária
Instalação dos encontro dos setoriais da CNTSS
1 – INSS e Previdência 
Convidados: Presidente do INSS – Leonardo Gadelha
Diretor do Sindsprev – Irineu Messias
 
2 – Ministério da Saúde e Trabalho
Convidados: Diretor de Gestão de Pessoas do Ministério da Saúde – Pablo Leite
 
– Levantamento de Propostas
Levantamento das Estruturações e os Impactos nos Processos de Trabalhos nas Políticas da Seguridade Social no Atendimento à População e na Vida Funcional dos Servidores
 
– INSS e Desmonte do INSS
– Extinto o Ministério da Previdência
– Ministério da Fazenda e Desenvolvimento Social e Agrário 
– Conselho Nacional: Recursos e as Juntas de Recursos do Seguro Social
– Ministério da Saúde e os Nems
– Anvisa,  Departamento Nacional de Auditoria do SUS (Denasus) e Saúde Indígena
 
Sábado (11.02)
 
Plenária Nacional do Setor Federal
9h – 10h – Organização do Setor Federal na CNTSS
10h 11h – Geap – Irineu Messias
11h -12 – Levantar os fóruns nacionais
Debater a respeito da representação da CNTT/CUT nos fóruns
Apresentação das pendências das plenárias do Recife
12h – Debate e Plenária
Encaminhamentos finais:

Dia 8 de Março: Dia Nacional de Mobilizações sobre os prejuízos da reforma da Previdência para as mulheres.
Dia 15 de março: Dia Nacional de Paralisação contra a reforma da Previdência.

****
Fonte:http://sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000004050&cat=noticias

Anúncios

Servidores da Saúde da Previdência e do INSS param as atividades contra a PEC 55

25.11.2016
Do portal do SINDSPREV/PE

CLIQUE PARA AMPLIAR
Irineu Messias, durante ato contra a PEC 55/16, no hall do prédio da SUDENE, em Recife/PE

CLIQUE PARA AMPLIAR

O dia 25 de novembro ficará eternizado como o Dia Nacional de Lutas contra a Proposta de Emenda Constitucional 55, a PEC 55/16. Em Pernambuco, os servidores da Saúde e da Previdência Social aderiram ao movimento e pararam as atividades como forma de protesto. Os trabalhadores também fizeram panfletagem nos pontos de atendimento para esclarecer a população sobre os perigos nas medidas de austeridade do presidente golpista, Michel Temer.

Na Gerência Executiva do INSS no Recife, a mobilização começou cedo, às 7h. O secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social de Pernambuco (Sindsprev-PE), Luiz Eustáquio, conversou com os funcionários a respeito das ameaças previstas pela proposta para o funcionalismo público e para encorajá-los na luta. ” Essa proposta só vai favorecer aos empresários. Empresários que, com o auxílio da mídia, deram força para colocar no poder esse governo golpista. Querem que a gente pague a conta de anos de sonegação deles e desvios de verbas. Não vamos permitir ” , declarou o dirigente.

Entre os servidores, a insatisfação com a atual conjuntura socioeconômica e perspectiva de piora que se desenha através das ações impopulares do Governo Federal é combustível para a luta. ” É importante que o servidor marque posição contra as medidas que estão destruindo nossas políticas públicas e o direito dos trabalhadores. Não é justo que essa conta sobre para gente. O movimento precisa, sim, acontecer, tomar força e ganhar as ruas. A sociedade, de um modo geral, ainda não tomou consciência dos perigos que a PEC 55 e que a Reforma da Previdência escondem ” , avaliou a representante técnica do Serviço Social da GEX Recife Nathália Teixeira. 

” O que está acontecendo no Brasil é uma vergonha. Não estamos mais vivendo uma democracia plena. O que são esses desmandos senão ditadura? Não dá para ficarmos parados diante disso. É preciso se mobilizar mesmo e se unir para tentar reverter o quadro ” , incitou o técnico de Seguro Social Jacio Santos.

O coordenador geral do Sindsprev-PE, José Bonifácio do Monte, foi às agências do INSS conversar com os funcionários e explicar a importância da mobilização. ” O Sindsprev organizou esses atos em todas as agências da Região Metropolitana e também do interior durante a manhã desta sexta-feira e, no período da tarde, vamos participar da passeata unificada convocada pela Central Única dos Trabalhadores em Pernambuco (CUT-PE). Não vamos descansar até que essa PEC seja derrubada ” , adiantou o sindicalista.

Na Policlínica Centro (PAM Centro), além do movimento paredista, os funcionários aproveitaram para panfletar na Praça da Independência e explicar aos comerciantes e transeuntes como a PEC 55 pode afetar a vida de todos. Também foram feitos atos de protesto e conscientização social nas Agências da Previdência Social de Casa Amarela, Encruzilhada, Corredor do Bispo e Afogados, no Recife, além de Escada, Paulista, Limoeiro, Arcoverde e Barreiros.

Núcleo Estadual do Ministério da Saúde

No Núcleo Estadual do Ministério da Saúde (NEMS), no edifício da Sudene, Engenho do Meio, a mobilização teve início às 9h e foi encabeçada pelo diretores do Sindsprev-PE Irineu Messias, secretário de imprensa, Marcondes Carneiro, Leosina Barbosa e Amara Vital.

“Estamos aqui no Nems convocando nossa categoria e também indo aos locais de trabalho da saúde para explicar os absurdos da PEC da Morte”, destacou Irineu no hall do prédio da Sudene, onde os servidores se concentraram. De acordo com ele é importante esse Dia Nacional de Protestos porque é a única alternativa de contrapor a imposição dessa PEC que retira direitos conquistados arduamente pelos trabalhadores. 

Se aprovada, a PEC vai afetar a vida de todos os brasileiros porque ela limita a construção e manutenção de escolas e universidades e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a entrega de medicamentos gratuitos e as campanhas de vacinação serão afetados.

O ato de protesto teve a participação da advogada Ana Cristina que falou das principais consequências da proposta. “A PEC visa apenas alterar os gastos da saúde, educação e assistência social e vai prejudicar a vida do servidor público, que ficará 20 anos sem reajuste de salário”, destacou a assessora jurídica do Sindsprev-PE. Para a dirigente do Sindsprev, Leosina Barbosa, “o mais grave dessa PEC é a precarização real dos serviços públicos e a extinção do estado democrático de direito para fortalecer um estado de ditadura como está hoje no Governo Temer”.

No Nems foram colocadas faixas  contra a PEC 55 e o Grupo Teatral TV Sindical fez uma apresentação para os servidores que ouviram atentamente  os esclarecimentos sobre os graves  danos causados pelos ataques do Governo Temer  aos funcionários públicos, aos trabalhadores  e à sociedade em geral. Ao final do evento, Irineu Messias  alertou que é importante reagir  às afrontas do governo golpista de Temer com muita determinação e unidade.

Entenda a PEC 55

A proposta já foi aprovada na Câmara dos Deputados como PEC 241 e deve ser apreciada no Senado na próxima semana. A PEC do Teto, como está sendo chamada, prevê o corte nos investimentos em serviços essenciais à população, como saúde, educação e assistência social, por 20 anos.

GEX RECIFE

CLIQUE PARA AMPLIAR     CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR     CLIQUE PARA AMPLIAR

PAM CENTRO

CLIQUE PARA AMPLIAR     CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR     CLIQUE PARA AMPLIAR

NEMS

CLIQUE PARA AMPLIAR     CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR     CLIQUE PARA AMPLIAR

APS ENCRUZILHADA

CLIQUE PARA AMPLIAR

APS ARCOVERDE

CLIQUE PARA AMPLIAR

APS BARREIROS

CLIQUE PARA AMPLIAR     CLIQUE PARA AMPLIAR

CLIQUE PARA AMPLIAR

****
Fonte:http://sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000003988&cat=noticias

CNTSS/CUT apresenta pauta dos servidores para presidente do INSS

17.08.2016
Do portal da CNTSS/CUT, 05.08.16
Por Simonny Santos*

Em defesa da Seguridade Social, dirigentes reiteram que a extinção do Ministério da Previdência Social não é e não será aceita pelos trabalhadores

 Os dirigentes da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social (CNTSS/CUT) dos Estados de Goiás, Bahia, Sergipe, Paraíba e Mato Grosso do Sul se reuniram com o atual presidente do INSS – Instituto Nacional do Seguro Social, Leonardo Gadelha, e sua equipe gestora, na manhã de quarta-feira (3), em Brasília. O presidente da CNTSS/CUT, Sandro Alex, abriu a audiência destacando que “os servidores do INSS têm um compromisso com a instituição e com a sociedade, eles continuam cumprindo seu papel atrás dos balcões do INSS e isso precisa ser ponderado, independente do governo em vigência”.

Além dos depoimentos sobre a falta de estrutura das APS’s, também foram discutidos a nova estrutura do INSS e MDSA; As relações de trabalho no MDSA; As revisões de benefícios anunciados pela MP 739 (que trata dos benefícios de auxílio-doença, acidente de trabalho e aposentadorias por invalidez e LOAS por incapacidade) e a participação dos técnicos do seguro social e assistentes sociais; Plano de Reposição da greve 2015; Plano de Ação de 2016; GDASS, REAT, IN-74 e os grupos de trabalho; retirada da insalubridade; exames periódicos; servidores do conselho das juntas do seguro social; e 30 horas para as PEC’s, concessões de aposentadorias e abono de permanência e os impactos dos códigos de greve e a prorrogação do último concurso.

Em vários momentos da discussão, os representantes da categoria questionaram como apresentar bons resultados sendo que não há um suporte adequado do INSS para os servidores. “Como ter excelência no atendimento se não existem condições de trabalho? Com a mudança do INSS para o novo Ministério o clima é de insegurança, pois não é possível saber qual o destino dos trabalhadores na instituição onde estão há mais de trinta anos, além disso, está sendo feito um grande esforço para atender a demanda. Outro problema é a questão emocional que está afetando a saúde dos servidores”, externaram.

Veja abaixo os outros assuntos que foram discutidos e os encaminhamentos:

Extinção do Ministério da Previdência Social

A extinção do Ministério da Previdência Social não é e não será aceita pelos servidores e por nós, defensores da Seguridade Social. O presidente do INSS, Leonardo Gadelha, disse que o momento é fazer esse novo modelo dar certo, mas caso não funcione perfeitamente voltará à estrutura anterior. Ele diz ainda saber que o orçamento destinado ao INSS é o mínimo suficiente para fazer a máquina funcionar.

MP 739/16

De acordo com o presidente do INSS, a previsão do pagamento financeiro aos médicos peritos foi prevista no Ministério Público porque a negociação com a classe permitiu que as revisões sejam realizadas a partir da preparação do sistema.

Nos casos de necessidade de trabalho dos técnicos, analistas e assistentes sociais, a equipe está discutindo os meios legais para garantir a participação de todos os profissionais.

Situação dos assistentes socais no contexto da nova estrutura

De acordo com o presidente não haverá nenhuma mudança neste sentido e destacou que as assistentes sociais continuarão prestando as suas atribuições nas agências da Previdência Social e lembrou que caso haja alguma mudança, ela precisará ser feita por meio da aprovação de uma lei no Congresso Nacional. A CNTSS/CUT reiterou que é necessário e fundamental que qualquer mudança seja anunciada em primeiro momento para as entidades representantes da categoria.

Insalubridade

Questionados sobre os cortes de insalubridade, foi explicado que está em análise em um Comitê Gestor com dois representantes do Ministério do Trabalho, do MPOG e do INSS para fazer a revisão da Orientação Normativa nº 6. Neste momento o que está sendo feito é o laudo ambiental. A CNTSS/CUT lembrou que essa pauta foi negociada na greve do ano passado e na oportunidade Sandro sugeriu que esse debate fosse sendo feito no Ministério da Saúde e a proposta aprovada foi fazer um laudo coletivo.

A CNTSS/CUT solicitou que insalubridade não seja retirada antes de concluir o trabalho deste grupo e que as conclusões sejam apresentadas para as Entidades Nacionais antes de ser anunciadas para categoria, além de que toda e qualquer discussão em torno disso, seja discutida com a categoria e seus representantes. Foi sugerido também que a mesma metodologia seja aplicada no INSS.

CAD Único – Cadastro Único

A diretoria do INSS explica que há dois anos está sendo discutido o Cad Único, contudo nada impedirá que a porta de entrada dos benefícios assistenciais seja no INSS. Mais uma vez, a CNTSS/CUT reafirmou que as mudanças que impactam a vida funcional e as relações de trabalho sejam discutidas com os trabalhadores nos locais de trabalho e concluiu: “não queremos receber surpresas de um dia para outro com mudanças que afetam o cotidiano de nosso trabalho, mudanças serão bem-vindas desde que para melhorar as condições de trabalho”.

GDASS

Quanto ao pagamento do atual ciclo da GDASS institucional, o presidente do INSS informou que a mensuração para setembro fica estabelecida o IMA/GDASS Brasil em 67 dias. Ainda de acordo com a equipe diretiva do INSS, o grupo de trabalho que conta com a participação das entidades, irá discutir a revisão da metodologia de uma nova forma de mensuração de avaliação institucional.

Carga horária de 30 horas

Foi exposto ao INSS que os servidores não possuem condições emocionais para receberem carga horária maior que a atual, ou seja, 30 horas semanais. Algumas agências estão no REAT – Regime Especial de Atendimento em Turnos e as condições exigidas para permanência no mesmo, além das demais APS’s que não tiveram oportunidade de aderir ao REAT e estão fora por força das exigências legais impostas pela instituição.

O trabalho no INSS de segunda a sexta-feira é desgastante e expor os trabalhadores e trabalhadoras, além dos segurados, o dia todo nas agências em condições desumanas tem provocado constantes afastamentos por adoecimentos e conflitos entre os servidores e os segurados. Na verdade, o ambiente de trabalho é tenso e de irritabilidade constante.

De acordo com o presidente Gadelha, a equipe está estudando as alterações na Resolução de adesão ao REAT com possibilidade de que o chefe de benefício tenha direito de fazer seis horas e um deflator da lotação ideal de 10 ou 20%.

30 horas para as PEX

Foi solicitado também a análise do pedido de alteração no horário de atendimento das Agências da Previdência Social para turno único e ininterrupto de seis horas, funcionando entre as 7h e 12h, o que, inclusive, geraria redução de gastos de custeio da administração pública. Em resposta, a equipe do INSS disse que está sendo avaliado no Ministério do Planejamento.

Exames periódicos

Já se encontra nas Gerências Executivas a autorização para os procedimentos de realização dos exames periódicos, inclusive em convênio com a GEAP em todo Brasil. Portanto, cabe as gerências executivas aderirem ao convênio e programar a realização dos mesmos. A CNTSS/CUT orienta que os Sindicatos Estaduais procurem os gerentes executivos para colocarem em execução os procedimentos dos exames periódicos.

Plano de reposição da greve

Perguntado sobre o plano de reposição da greve de 2015, a equipe gestora do INSS informou que aproximadamente 94% dos servidores já pagaram seus débitos da greve em pontos/processos, restando apenas 6%.  Destacou ainda que o prazo para finalizar essa modalidade finaliza no dia 22 de agosto deste ano.

Só haverá prorrogação na data caso seja provocado por alguma das entidades nacionais e disseram que os servidores do INSS devem ficar atentos, pois o Sistema de Registro e Acompanhamento de Reposição irá fechar e ninguém mais terá acesso.

A CNTSS/CUT orienta aos sindicatos estaduais a procurarem a gerência executiva para se informarem sobre a situação de cada agência e de cada servidor que participou da greve.

As relações de trabalho no INSS

A CNTSS/CUT informou ao presidente que o INSS deve intervir nos conflitos entre as categorias, uma vez que as relações de trabalho devem ser pacificadas e não é isso que está acontecendo entre os servidores médicos peritos, os assistentes sociais e administrativos.

Esse tema foi exaustivamente discutido na mesa sobre os servidores, em especial as assistentes sociais, que vêm sendo agredidas em um blog e nas redes sociais pelo exercício profissional das atribuições a que estão submetidas.

A CNTSS/CUT entende que essa é uma relação delicada, mas que dará o devido tratamento, inclusive, levando, se for o caso, para a esfera judicial com intuito de garantir o respeito nos locais de trabalho para os servidores técnicos, analistas e assistentes sociais.

O objetivo é o atendimento de qualidade à população, garantindo os direitos às políticas de assistência social e previdenciária a todos os cidadãos e cidadãs que procuram INSS.

Prorrogação das chamadas do concurso do INSS

Os dirigentes solicitaram a alteração do prazo de validade do último concurso para provimento de vagas de Técnicos e Analistas do Seguro Social. Em resposta, o INSS disse haver possibilidade de prorrogar por igual período da validade do certamente, que é de um ano.

*Assessoria de Imprensa do Sintfesp GO,presente na reunião.

****
Fonte:http://www.cntsscut.org.br/destaques/2721/cntss-cut-apresenta-pauta-dos-servidores-para-presidente-do-inss

Servidores do INSS em Pernambuco protestam contra mudanças na Previdência Social

31.05.2016
Do portal DIARIO DE PERNAMBUCO

Servidores do INSS protestaram no Recife e em mais três cidades do Interior de Pernambuco contra a extinção da Previdência Social. Foto: Sindsprev-PE/Divulgação

No Recife, munidos de faixas e cartazes, os trabalhadores entregaram uma carta aberta à população esclarecendo as mudanças ministeriais

Servidores do INSS protestaram no Recife e em mais três cidades do Interior de Pernambuco contra a extinção da Previdência Social. Foto: Sindsprev-PE/Divulgação
Servidores do INSS protestaram no Recife e em mais três cidades do Interior de Pernambuco contra a extinção da Previdência Social. Foto: Sindsprev-PE/Divulgação

Vários servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em Pernambuco protestaram, na manhã desta terça-feira, contra possíveis mudanças na Previdência Social. Os atos, organizados pelo Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social no Estado de Pernambuco (Sindsprev-PE), foram articulados e realizados a partir das 10h simultaneamente no Recife, Caruaru, Garanhuns e Petrolina.

Nos protestos, os servidores foram às ruas para dizer “Não” à exclusão do Ministério da Previdência Social e ao desejo de privatizar a previdência apontado pelo presidente em exercício Michel Temer. No Recife, munidos de faixas e cartazes, os trabalhadores entregaram uma carta aberta à população esclarecendo como as mudanças ministeriais são prejudiciais para os servidores e também para os usuários do sistema.

O protesto aconteceu em frente à Superintendência Regional do INSS, na Avenida Dantas Barreto, no bairro de Santo Antônio. A manifestação da capital reuniu funcionários das agências da Encruzilhada, Pina, Corredor do Bispo, Afogados, Junta de Recursos e São Lourenço da Mata.

“Precisamos estar todos unidos nesta luta. Somente trabalhando juntos poderemos salvar a previdência. Durante o ato também desceram os servidores da superintendência. É preciso ter em mente que essas mudanças mexem com todos nós. É hora de união e não de divisão”, convocou o dirigente do Sindsprev-PE, Luiz Eustáquio.

Assistentes sociais do INSS também participaram da mobilização. “A defesa da previdência é de todos os cidadãos pela garantia da aposentadoria digna e contra a extinção do ministério. O déficit da previdência é uma grande mentira. Uma matemática mal feita porque só leva em conta o que é arrecadado com a contribuição do empregador e não considera o que é arrecadado com nossos impostos e atribuição do fundo da seguridade social”, lembrou a assistente social Tereza Vital.

O sindicalista Expedito Saloney, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), que participou do ato no Recife, lembrou que o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff ainda pode ser revertido no Senado. “A extinção do Ministério da Previdência é uma afronta à organização dos trabalhadores brasileiros. A CUT está solidária à manifestação dos servidores. Casos de corrupção já começaram a ser desvendados agora no governo Temer, como o ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveiro, que entregou o cargo ontem (30). Essa luta é realmente de todos nós”, explicou Saloney.

Interior

Em Caruaru, a mobilização aconteceu em frente à Gerência Executiva do INSS, na Avenida Rui Barbosa, nº 250, Maurício de Nassau. Os dirigentes Márcio Ranieri de Carvalho e José Carlos Tavares participaram do ato e convocaram os trabalhadores a participar da luta.

No Sertão do São Francisco, em Petrolina, o ato ocorreu na frente da APS de Petrolina, na Rua Tobias Barreto, no Centro – Setor Hospitalar. As dirigentes do Sindsprev-PE Leozina Barbosa de Andrade e Jane Thoma estiveram na APS para encabeçar a luta.

Já em Garanhuns, o ato aconteceu em frente à Gerência Executiva do INSS, na Praça Dom Moura, no bairro de Santo Antônio. O dirigente Leonardo Azevedo convocou os servidores da cidade a participarem do ato contra a Reforma da Previdência e Reforma Ministerial e explicou para a população as causas do movimento.

Enquanto os servidores vão às ruas na luta a favor da Previdência Social, em Brasília, na manhã desta terça-feira, acontece o relançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social. A solenidade começou às 9h, no auditório Petrônio Portela, no Senado Federal. À tarde, das 14h às 17h, será realizado o seminário “Desmistificando o déficit da Previdência no contexto da Seguridade Social”.

O coordenador geral do Sindsprev-PE, José Bonifácio do Monte, participará do ato, que é uma iniciativa do senador Paulo Paim (PT-RS) e do deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP). Na programação do seminário, haverá debates variados, como a convergência dos regimes e a Previdência Social, a estrutura do Seguro Social Brasileiro e seu impacto na economia, a realidade tributária da previdência brasileira, a posentadoria especial, pensão e redução de direitos, a previdência rural e diferença de gênero e os impactos das mudanças demográficas no Seguro Social.

Assembleia

No último dia 20, em assembleia extraordinária com os servidores, a categoria discutiu os impactos da reforma ministerial do governo em exercício sobre a Previdência Social e o Sistema Único de Saúde (SUS), além dos possíveis danos nos direitos e na vida funcional dos servidores. Além da análise da conjuntura, os servidores decidiram uma série de ações que deverão ser implantadas pelo Sindsprev-PE para reforçar a luta.
*****
Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/politica/2016/05/31/interna_politica,647719/pf-pede-indiciamento-de-presidente-do-bradesco.shtml

Cartilha Das Metas ao Caos – Gestão Gerencialista Produtiva do INSS, produzida pelo Sindsprev/PE

11.11.2015
Do portal do SINDSPREV.PE, 03.11.15
Por Wedja Gouveia

*****

Fonte:http://www.sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000003548&cat=noticias

Seminário debate modelo de gestão e propostas para Plano de Ação 2016 do INSS

23.10.2015
Do portal do SINDSPREV.PE
CLIQUE PARA AMPLIAR
Debater o atual modelo de gestão do INSS e apresentar propostas para o novo plano de ação do Instituto para o próximo exercício. Estes são os principais objetivos do seminário sindical que será promovido pelo Sindsprev/PE nos dias definidos a seguir, sempre das 13h às 20h.

Na quarta (21/10), acontecerá no auditório da Gerência Executiva do INSS de Caruaru; na quinta-feira (22/10), no JB Hotel, em Petrolina; na terça (27/10), na Gerência Executiva do INSS de Garanhuns; e na última quinta-feira do mês (29/10), no auditório da sede do Sindsprev.

O evento é dirigido aos servidores do INSS que atuam nas Agências da Previdência Social (APS), nas gerências executivas e na superintendência regional.

Na abertura do seminário será lançada a Cartilha  Das Metas ao Caos – Gestão Gerencialista Produtiva do INSS. Com 20 páginas, a publicação foi editada pelo Sindicato e estará disponível a categoria através do site www.sindsprev.org.br depois do seu lançamento. A cartilha denuncia e critica o modelo de gestão vigente no INSS, detalhando os dispositivos para uma nova gestão coletiva da organização do trabalho.

Em seguida, haverá o painel O Modelo de Gestão Gerencialista Produtivista do INSS – Estudo realizado pelo Sindsprev/PE e trabalhos em grupos para identificação de propostas para elaboração do plano de ação do INSS e seus indicadores de acompanhamento, bem como as diretrizes para proposição de metas nas unidades de trabalho.

As propostas serão levadas pelos representantes do Sindicato na discussão que será realizada na superintendência regional, conforme determina a décima segunda cláusula do Termo de Acordo do INSS.

Como se inscrever?

As inscrições para o seminário sindical já estão abertas e podem ser feitas pelo e-mail inscricoes@sindsprev.org.br ou através do tel.: (81) 2127-8333

Conheça a programação:

13h – Acolhida/Almoço de chegada dos participantes

13h45 – Abertura/Lançamento da Cartilha “Das Metas aos Caos”

14h -30 – Painel: O Modelo de Gestão Gerencialista Produtivista do INSS – Estudo realizado pelo Sindsprev-PE

  • Debate

16h – Elaboração de Propostas para construção do plano de ação 2016 do INSS

  • Trabalho em grupo (os grupos devem identificar propostas que contemplem as preocupações acerca de um plano de ação que seja coerente com a realidade e necessidade dos servidores).


17h – Apresentação dos grupos

17h45 – Intervalo para o café

18h – Sistematização das propostas

19h – Avaliação e encerramento da atividade

*****
Fonte:http://www.sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000003532&cat=noticias

APESAR DA FUSÃO, NOSSA LUTA CONTINUA. O APOIO DOS SERVIDORES DO INSS , VIA ABAIXO-ASSINADO, CONTINUA SENDO MUITO IMPORTANTE

09.10.2015
Por Irineu Messias

A fusão dos Mnistérios dos Ministério da Previdência Social e do Ministério do Trabalho e Emprego em um só, não deve arrefecer o ânimo dos servidores da Previdência Social.

Devemos continuar lutando por nossa equiparação salarial com os servidroes do INSS. Durante a greve, os companheiros e companheiras do INSS, manifestaram uma grande solidariedade por nossa luta através de Abaixo-Assinado,emq ue muitos assinaram, revelando surpresa, pois não sabiam dessa discrepância salarial entre os servidores da Previdência Social e do INSS.Muitos até achavam que ganhávamos mais que o INSS!

Por isso que é importante continuarmos com o colhimento de assinaturas de todos os servidores do INSS em todo o país.

Carlos Eduardo Gabas, é o Secretário Especial de Previdência Social do Ministério do Trabalho e Previdência Social(MTPS).

No entanto, com a fusão dos Ministérios, tivemos que fazer algumas alterações no texto do novo abaixo-assinado,cujo conteúdo é praticamente o mesmo. Alteramos apenas o nome do Ministro. O encaminhamento agora será ao novo Secretário Especial de Previdência Social, Carlos Gabas, visto que, é ele o responsável direto pelos assuntos pertinentes à Previdência Social e, quando ministro.  tratou de perto da nossa situação funcional e salarial. Abaixo segue o texto com as pequenas alterações:

ABAIXO-ASSINADO

PELA EQUIPARAÇÃO SALARIAL ENTRE SERVIDORES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL/INSS

“Excelentíssimo Senhor Secretário Especial de Previdência Social, Dr. Carlos Eduardo Gabas.

Ilustríssima Senhora Presidenta do Instituto Nacional do Seguro Social, Dra. Elisete Berchiol da Silva Iwai.

Nós, abaixo-assinados, servidores do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, através deste Abaixo-Assinado, manifestamos todo nosso apoio à luta dos servidores da Previdência Social, pela EQUIPARAÇÃO SALARIAL com nós servidores do INSS.

Na maioria dos estados e em Brasília/DF, trabalhamos lado a lado, muitas vezes exercendo as mesmas tarefas que nossos colegas da Previdência Social, sendo que eles recebem remuneração bem inferior à nossa, causando constrangimento a todos nós.

Por isso, solicitamos que esta discrepância seja finalmente resolvida por meio da equiparação salarial com os servidores da Carreira do Seguro Social, seja pela adesão á esta Carreira, ou um outro formato que elimine, em definitivo, esta grande diferença salarial pois os mesmos fazem parte da mesma Previdência Social que nós, cuja missão e valores são iguais.

Por ser uma questão de justiça, subscrevemo-nos abaixo”

Clque abaixo e baixe em PDF,  o texto do abaixo-assinado,  pronto  para o colhimento das assinaturas:

 Abaixo-assinado dos servidores do inss em apoio aos Servidores da Previdência Social

Precisamos continuar coma nossa meta de colher o maior número de assinaturas,para que quanto for instalado o Comitê Gestor da Carreira do Seguro Social, tenhamos um número impactante de companheiros e companheiras do INSS, apoiando nossa luta pela EQUIPARAÇÃO SALARIAL.

Durante a greve, já colhemos cerca de 1000 assinaturas em  todo o país. Agora precisamos correr atrás e ir em busca de 5000 mil assinaturas!

Sabemos que no passado, muitos abaixo-assinados já foram feitos. Estamos em um  novo cenário.

Pela primeira vez, nossa situação funcional e salarial foi objeto de um acordo de greve. Isso nunca aconteceu antes.Portanto o abaixo-assinado de agora  fortalece o conteúdo do Acordo de greve do INSS, que nos fala nosso  respeito.

Claro que não iremos apenas nos ater a esta estratégia. Em breve, a CNTSS e  ANASPS reunirá,  novamente, os servidores da Previdência Social para avaliar esse novo cenário de fusão de ministérios, mas também avaliarão os próximos encaminhamentos para fortalecer nossa luta pela equiparação salarial. Antes disto, contudo, tão logo saia o novo organograma da Secretaria Especial de Previdência Social, as duas entidades se reunirão com o secretário Gabas, para discutir o impacto da fusão na vida funcional dos servidores.

*****