Aécio, o verdadeiro mensaleiro

03.05.2017
Do portal BRASIL247, 12.04.17
Por ESMAEL MORAIS

Pedro França/Agência Senado

Esqueça tudo que você viu, leu ou ouviu nos últimos anos — as fake news da velha mídia — acerca de “mensaleiros”, pois, segundo delações da Odebrecht, o verdadeiro mensaleiro era o senador e presidente nacional do PSDB Aécio Neves (MG).

Os delatores da empreiteira afirmaram que “Mineirinho”, o codinome de Aécio, recebia mesadas que variavam de 1 milhão de reais a 2 milhões de reais. Ou seja, pelo valor poder-se-ia ser classificado de “mensalão”.

Não há a pretensão ou vocação desta página pelo vestalismo. Pelo contrário. Somente o registro do falso moralismo que tomou conta da velha mídia e da velha oligarquia política do país.
Voltemos ao mensalão de Aécio.

Segundo o colaborador Henrique Valladares, o mensaleiro Aécio recebia religiosamente a mesada da Odebrecht. Os executivos da empreiteira apresentaram provas documentais de pagamento de propina ao presidente nacional do PSDB e a seus aliados políticos nos estados.

Não é à toa que o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, autorizou nesta terça (11) a abertura de cinco inquéritos para investigar Aécio.

E não é que Aécio e demais golpistas saíram às ruas para protestar contra a corrupção em passado recente? haja cinismo…

Grosso modo, é o típico filme cujo final o “mocinho” era, na verdade, o “bandido” e o “bandido” era o “mocinho”. É a vida imitando a arte.
****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/colunistas/esmaelmorais/290099/A%C3%A9cio-era-o-verdadeiro-mensaleiro.htm

Anúncios

GOLPISTAS SEM MORAL: DEPUTADOS QUE PEDIRAM COMBATE À CORRUPÇÃO NO IMPEACHMENT FORAM DELATADOS

16.04.2017
Do portal BRASIL247

Sete em cada dez senadores e deputados federais que viraram alvo de inquérito ou são citados na planilha de caixa 2 entregue à Lava-Jato pelo diretor de Infraestrutura da Odebrecht, Benedicto Júnior, votaram pelo “sim” no impeachment; sempre em discursos com duras críticas à corrupção, promessas de novos rumos e “esperança de um futuro melhor”; um claro exemplo de hipocrisia política

247 – O fim do sigilo sobre as delações da Odebrecht trouxe à tona a hipocrisia do Congresso Nacional.

Sete em cada dez senadores e deputados federais que viraram alvo de inquérito ou são citados na planilha de caixa 2 entregue à Lava-Jato pelo diretor de Infraestrutura da Odebrecht, Benedicto Júnior, votaram pelo “sim” no impeachment. Sempre em discursos com duras críticas à corrupção, promessas de novos rumos e “esperança de um futuro melhor”.

As informações são de reportagem de Thiago Herdy em O Globo.

“‘Quanta honra o destino me reservou de poder, da minha voz, sair o grito de esperança de milhões de brasileiros. (…) Carrego comigo nossas histórias de luta pela liberdade e pela democracia. Por isso eu digo ao Brasil: sim para o futuro! — gritou odeputado federal Bruno Araújo (PSDB-PE), erguido pelos colegas como um troféu, sacramentando o avanço do processo contra Dilma.

Araújo virou ministro das Cidades no novo governo e, nesta semana, descobriu-se que nas planilhas de registro dos pagamentos ilegais da Odebrecht tinha outra identidade: “Jujuba”, beneficiário de contribuições não declaradas à Justiça Eleitoral, no total de R$ 600 mil.

As palavras entre aspas são da fala do deputado federal Milton Monti (PR-SP), acusado de viabilizar pagamentos ao então ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento (PR-AM), e atuar por um “ajuste de mercado” entre empresas, que resultou em propina para agentes públicos do Dnit. Monti teria cobrado, em nome do PR, propina de 3% dos contratos da Ferrovia Norte-Sul.

Estamos legitimados pelo povo brasileiro para dar um basta à roubalheira! — bradou Onyx Lorenzoni (DEM-RS) na sessão do impeachment, citando trecho do hino do Rio Grande de Sul que menciona o valor de “”nossas façanhas” como “modelo a toda terra”.

O ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht Alexandrino Alencar relatou ter pago a Lorenzoni, em caixa 2, R$ 175 mil na eleição de 2006. Tudo para que a empresa tivesse “um parceiro futuro nas suas atividades”, segundo o relato do ex-diretor ao MPF.”
*****
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/290593/Deputados-que-pediram-combate-%C3%A0-corrup%C3%A7%C3%A3o-no-impeachment-foram-delatados.htm

A hipocrisia de Globo, Folha e Aécio Neves na questão dos presídios

10.01.2017
Do blog O CAFEZINHO 
Por Pedro Lorenzi Breier

(A troça com os direitos humanos de repente perdeu a graça)

Por Pedro Breier, colunista político do Cafezinho

A onda de chacinas nos presídios brasileiros que abriu tragicamente 2017 transformou, não mais que de repente, os maiores representantes da direita brasileira em defensores dos direitos humanos.

Globo e Folha, em editoriais (aqui e aqui), e Aécio Neves, em sua coluna na Folha (aqui), deram um espetáculo de hipocrisia ao proporem soluções para que os massacres de presos não se repitam.

A Globo informa que “Dos mais de 600 mil condôminos das penitenciárias, 40% deles são presos provisórios, pessoas que, antes mesmo de serem julgadas, já amargam o cumprimento de penas que sequer se sabe se serão confirmadas em juízo.”

Só depois de tragédias horríveis como essas os Marinho perceberam o quão absurdo é o número de presos provisórios no país?

Na hora de fazer populismo penal para destruir os adversários políticos, como acontece desde 2014 na Lava Jato, as prisões provisórias são justas?

Sérgio Moro, provavelmente o juiz que mais manda prender provisoriamente no país, foi transformado em herói exatamente pela Globo, auxiliada, é claro, pelos demais integrantes do cartel midiático nacional, entre eles a Folha.

O jornal dos Frias citou relatórios que apontaram a precariedade das instalações, as péssimas condições para ressocialização e a falta de assistência jurídica e de saúde aos detentos no presídio de Manaus onde ocorreram 56 mortes. E defendeu penas alternativas e mudanças no enfoque prisional:

Esta Folha há mais de 15 anos defende a segunda via. Entende que a lei deveria evoluir no sentido de reservar a prisão a criminosos que recorrem a violência ou grave ameaça; os demais, cuja liberdade não representa perigo à sociedade, poderiam cumprir pena alternativa, desde que suficientemente dura e proporcional ao delito.

É uma ironia macabra.

Para derrubar o governo escolhido pelas urnas em 2014, o oligopólio midiático alimentou como nunca o pensamento de extrema direita da população.

As sugestões da Folha para evitar novos massacres, se propostas no meio de uma das micaretas coxinhas que foram convocadas pela mídia familiar e usadas para justificar o golpe, certamente provocariam reações iradas e violentas. Afinal, penas alternativas e condições dignas para presos é coisa de “defensor de bandido” para a esmagadora maioria do exército de zumbis midiáticos.

Aécio Neves, que já foi acusado de provocar a prisão arbitrária de jornalistas desafetos, também cita, em seu artigo, a proporção de presos provisórios e diz que “prisão deve ser lugar de justiça, não de vingança da sociedade”.

Aécio nem precisou defender isso para ser escorraçado da última marcha coxinha da qual tentou participar.

O sensacionalismo penal, as prisões midiáticas, a transformação de justiceiros em heróis, a ridicularização dos ativistas dos direitos humanos, a farsa do “país da impunidade”, a ausência de debate e reportagens sobre as condições desumanas das prisões e até mesmo a falta de moderação dos comentários abertamente fascistas nos portais geraram uma horda de defensores do “bandido bom é bandido morto” (dependendo do bandido, é claro).

Chamar de hipócrita quem vira defensor dos direitos humanos só depois do desastre consumado é pegar leve demais. É canalhice mesmo.

*****
Fonte:http://www.ocafezinho.com/2017/01/10/hipocrisia-de-globo-folha-e-aecio-neves-na-questao-dos-presidios/

PIMENTA: PANELEIROS SERÃO ESBOFETEADOS COM A VOLTA DA CPMF E ALÍQUOTA 0,5%

29.12.2016
Do portal BRASIL247

RS 247 – O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) usou sua conta no Twitter para fazer um alerta: depois que quebrar o País, Michel Temer e Henrique Meirelles irão propor a volta da CPMF, em 2017, com alíquota de 0,5%.

“Os golpistas serão esbofeteados quando perceberam que terão que pagar o pato”, diz ele.

Nesta quinta-feira, em editorial, a Folha de S. Paulo, que condenou o ajuste fiscal proposto pela presidente Dilma Rousseff e pelo então ministro Joaquim Levy, já defende novos impostos em 2017.

“São hipócritas”, resumiu Pimenta.

Em entrevista recente ao 247, Dilma afirmou que seria impossível fazer um ajuste verdadeiro, sem mexer também nas receitas, e não apenas nas despesas:

******
Fonte:http://www.brasil247.com/pt/247/rs247/272622/Pimenta-paneleiros-ser%C3%A3o-esbofeteados-com-a-volta-da-CPMF-e-al%C3%ADquota-05.htm

COXINHA REACIONÁRIA É CONTRA MAS RECEBE BOLSA-FAMÍLIA: Anti-assistencialista, militante pró-Bolsonaro recebe Bolsa Família

28.09.2016
Do blog MÉDIU.COM

Conhecida por participar de ações violentas, a militante de extrema-direita Kelly Bolsonaro já criticou abertamente vários programas assistencialistas idealizados pelo Partido dos Trabalhadores. Porém, segundo constatado em pesquisa, a militante recebe ajuda do governo federal através do programa Bolsa Família.


Muitos não devem conhecer quem é Kelly Bolsonaro, mas seu histórico de atos violentos é longo.

Militante de extrema-direita e seguidora fiel do deputado federal Jair Bolsonaro, Kelly é supostamente funcionária do Partido Social Cristão (PSC), apesar de não ser filiada ao partido. Segundo fontes que preferem não se identificar, a militante é paga para realizar determinadas ações de protesto contra qualquer mobilização ou governo de esquerda.

Basta pesquisar pelo seu nome no Google, que você encontrará diversas reportagens relatando sua forma de atuação política, com o simples objetivo de causar confusão.

 
 

Conforme uma pesquisa realizada pela Agência Democratize, foi possível verificar diversas publicações abertas, onde a militante de extrema-direita critica fortemente a realização de programas assistencialistas idealizados pelo governo petista, de Lula até Dilma Rousseff.

Em um dos posts no Facebook, Kelly Bolsonaro critica a postura do PSC ao se aliar com partidos como o PCdoB em candidaturas municipais deste ano: “Reconhecendo a importância do partido, por algum tempo pensei e repensei em me afiliar ao Partido Social Cristão (PSC), já que carrego comigo princípios cristãos. Após pesquisar a história e atuação do partido, acabei abandonando a escolha por vários motivos”, disse no Facebook.

Porém, segundo informações repassadas para a Agência Democratize, Kelly é funcionária do PSC.

Em outros posts, Kelly critica a existência de programas como o Bolsa Família.

Em outra publicação, a militante de extrema-direita celebra o impeachment da ex-presidente petista Dilma Rousseff, segurando um cartaz se referindo aos programas sociais e seus recebedores.

 

Mas na realidade, segundo verificado, a responsável pela ação violenta na UnB (Universidade de Brasília) em junho deste mês recebe assistência do programa Bolsa Família, criado pelo governo Lula.

Com seu nome verdadeiro, Kelly Cristina dos Santos Silva, é possível verificar a veracidade dos pagamentos por causa do seu NIS (número de identificação social, cadastro atribuído pela Caixa Econômica Federal às pessoas que são beneficiadas por algum projeto social).

Até o momento, ela teria recebido mais de R$2.744,00 do programa Bolsa Família, com parcelas de R$217 por mês. Os dados são do ano de 2015 — o governo federal atualiza as informações no final de cada ano.

 

Os dados são públicos e podem ser acessados neste site.

A Agência Democratize tentou entrar em contato com Kelly Bolsonaro mas até o momento não recebeu resposta.

Também tentamos entrar em contato com o PSC de Brasília, sem retorno até o momento em que foi publicado esta reportagem.

*****
Fonte:https://medium.com/democratize-m%C3%ADdia/anti-assistencialista-militante-pr%C3%B3-bolsonaro-recebe-bolsa-fam%C3%ADlia-d77f4c4eb1c9#.mlqvwadnu

Por que os manifestantes ‘contra a corrupção’ desapareceram?

23.05.2016
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 20.05.16

Apesar de Michel Temer ser ficha-suja e citado na Lava Jato, assim como boa parte de seus ministros, panelas não são mais ouvidas. Onde foram parar os manifestantes com as caras pintadas de verde e amarelo e vestindo camisas da CBF?

bater panela corrupção brasil

O texto que segue é de Francisco Toledo, fundador da Agência Democratize. O conteúdo trata do desaparecimento súbito dos manifestantes ‘contra a corrupção’ no Brasil desde que Michel Temer assumiu o poder.

“Faço esse texto porque não ouço panelas batendo. Não vejo manifestantes com a cara pintada e a bandeira do Brasil nas ruas. Muito menos congressistas irritados com a corrupção na frente das câmeras, e a abraçando antes de dormir longe dos holofotes”, diz

Francisco. Leia a íntegra abaixo.

Procura-se: Um manifestante que seja contra a corrupção

O poeta e escritor francês Honoré de Balzac dizia que “os costumes são a hipocrisia de uma nação”. Acho que essa frase vale mais do que nunca para nós, brasileiros.

Não acredito em generalização, claro. Não somos todos nós os hipócritas. Pelo menos os hipócritas da vez. E sim eles, os “manifestantes contra a corrupção”.

Sim, talvez você faça parte desse grupo. Capaz que você nem imagine o quão hipócrita é, por apenas ter servido como massa de manobra de interesses mesquinhos de um grupo bem específico.

Mas, talvez você saiba da sua hipocrisia, e não tenha a menor vergonha de admiti-la.

De qualquer forma, foram alguns os milhões de brasileiros que ocuparam as ruas desde o ano passado para protestar contra a corrupção – e consequentemente pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Veja bem: a impopularidade de Dilma era algo que quase partia do senso comum do brasileiro. A diferença se encontra nos motivos e causas que geraram tal indignação.

Por exemplo, as classes C, D e E não gostavam de Dilma não por achar ela culpada de toda a corrupção denunciada pela Lava Jato. Eles não aprovavam seu governo por justamente não ter dado continuidade aos programas e avanços do governo Lula. O ajuste fiscal, a perda de consumo, tudo isso foi um reflexo de sua impopularidade com a classe trabalhadora.
Já vocês, os “manifestantes contra a corrupção”, pouco se importam com o ajuste fiscal. Terceirização, privatização e corte em programas sociais é visto como algo positivo por boa parte daquela massa confusa que ocupou as ruas.

Digo boa parte porque não são todos assim em sua totalidade. Como disse acima, talvez você seja “manifestante contra a corrupção”, mas também tenha sido parte de uma massa de manobra bem articulada.

Faço esse texto porque não ouço panelas batendo. Não vejo manifestantes com a cara pintada e a bandeira do Brasil nas ruas.

Muito menos congressistas irritados com a corrupção na frente das câmeras, e a abraçando antes de dormir longe dos holofotes.

Pelo menos 7 dos novos ministros indicados por Michel Temer estão sendo investigados pela Justiça. Alguns até mesmo são investigados pela Polícia Federal na operação Lava Jato.

Nem por isso o grupo fascistoide Revoltados On Line fez protesto na frente da casa desses novos ministros – assim como o fizeram quando Lula foi quase indicado para o Ministério da Casa Civil por Dilma.

E o senador Aécio Neves? O ministro do STF, Gilmar Mendes, em menos de 24 horas,

aceitou os argumentos do tucano e seus advogados, suspendendo as investigações sobre Aécio no caso de Furnas.

Resolvi fuçar a página dos liberais do Movimento Brasil Livre. Nenhuma postagem sobre.
Nenhuma. Nenhuma nota. Nada.

Pensei em pegar um cartaz e escrever em letras garrafais: PROCURA-SE O MANIFESTANTE CONTRA A CORRUPÇÃO. Onde ele foi parar?

A resposta é mais simples do que você imagina.

Nunca existiu nenhuma campanha popular contra a corrupção. A corrupção nada mais é do que o instrumento de grupos políticos pré-estabelecidos em um sistema corrupto para atacar seu rival, geralmente da situação (governo). Quando o cenário muda de lado, é a vez desse grupo político se defender das acusações.

A corrupção faz parte de um sistema que concilia partidos políticos com os interesses de multinacionais e empresas privadas, aceitando doações generosas para campanhas políticas.

E meu amigo, nenhum desses que estão no novo governo defendem o fim do financiamento privado. Nem os fascistoides do Revoltados Revolts. Nem os liberuxos do MBL. Nem mesmo o Temer, oras.

“Mas, primeiro derrubamos a Dilma, agora iremos derrubar o restante”.

Não, amigo. Não vão não.

Esses grupos que organizaram os protestos contra Temer já fazem campanha em defesa de seu novo governo. Talvez porque enquanto vocês torravam no sol durante a mega-ultra-manifestação na Avenida Paulista, esses caras que lideram tais grupos estavam ali nos bastidores, negociando cargos e ganhos em cima de tudo isso.

É diferente de 2013.

Em 2013 não havia lideranças. Não era preciso três carros de som gigantescos para colocar milhões de pessoas na rua. Muito menos era preciso protestar só nos domingos – pelo contrário, era todo dia, toda noite, toda madrugada se for preciso.

Ainda dá tempo de negar essa hipocrisia, e entender o jogo como funciona.

Antes que seja tarde. Não é preciso “temer”.

*****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/05/por-que-os-manifestantes-contra-a-corrupcao-desapareceram.html