Veja, Época e IstoÉ: a mesma capa

21.02.2018
Do BLOG DO MIRO
Da revista CartaCapital:


A última edição de três das quatro principais revistas semanais brasileiras, Veja, Época e IstoÉ, exibem uma interessante coincidência nas capas, tomadas por uma propaganda do governo federal em defesa da reforma da Previdência. A econômica Istoé Dinheiro também foi às bancas com a capa publicitária.

O anúncio mostra a logomarca do governo federal e traz um aviso de que se trata de uma sobrecapa publicitária, mas páginas nas redes sociais que criticam a cobertura da mídia não pouparam a incrível “coincidência”. No anúncio, a foto de um menino e o texto “Reforma da Previdência hoje para ele se aposentar amanhã”.

No Facebook, a página Caneta Desmanipuladoraque tem 255 mil seguidores, fez sua postagem na tarde de domingo 18. Vinte horas depois eram 5,2 mil reações e 4,7 mil compartilhamentos.

Essa foi apenas mais uma investida publicitária do governo federal em defesa da reforma da Previdência. Desde meados de 2017 são frequentes as inserções, especialmente na TV aberta, com mensagens a favor da reforma.

Não bastasse, o próprio presidente Michel Temer participou de uma espécie de maratona de entrevistas para abordar o assunto. Entre os entrevistadores, Silvio Santos e Ratinho, ambos do SBT. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também concedeu entrevistas sobre a necessidade da reforma.

No caso de Sílvio Santos, uma brincadeira de Temer saiu pela culatra e virou símbolo dos gastos do governo para aprovar uma reforma rejeitada por quase 100% dos brasileiros: o emedebista entregou uma nota de 50 reais ao apresentador após este fazer uma defesa enfática das mudanças na aposentadoria.

No ano passado, o governo destinou 170 milhões para despesas com comunicação no Orçamento. Entre janeiro e junho, havia executado 100 milhões, incluídos os anúncios em defesa da reforma da Previdência. De acordo com informações veiculadas em dezembro, à época a equipe de comunicação do Planalto planejava outros 72 milhões nos últimos dias para tentar diminuir a resistência da opinião pública e reduzir o temor de sua base de enfrentar as urnas no ano que vem.

Sobre os custos da nova ação publicitária, não é possível estimar o preço. Os veículos de comunicação têm tabelas para seus espaços publicitários, mas elas nunca são levadas ao pé da letra. Os anunciantes costumam obter descontos, mas o governo tende a aceitar reduções menores no valor do que o setor privado. Neste caso, por se tratar de um formato inusual, quase nunca usado pelos veículos, as negociações provavelmente ocorreram caso a caso e envolveram valores também incomuns para os padrões do mercado.

PS: Crítica contumaz da reforma da Previdência, CartaCapital obviamente não foi brindada com o anúncio. A direção informa que, mesmo se procurada, teria recusado a propaganda, por considerar falsas as premissas que embasam a defesa das mudanças na aposentadoria. Não seria a primeira vez. CartaCapital recusa qualquer publicidade que considere enganosa ou prejudicial aos consumidores e cidadãos.

*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com.br/2018/02/veja-epoca-e-istoe-mesma-capa.html

Anúncios

A vingançazinha da Lava Jato contra Reinaldo Azevedo

24.05.2017
Do BLOG DA CIDADANIA,
Por Eduardo Guimarães

republica de curitiba

Na última terça-feira, meu nome foi lembrado por muita gente na internet por conta da vingança sórdida da Lava Jato contra o jornalista Reinaldo Azevedo. Antes de comentar mais esse episódio triste e danoso à democracia, porém, há que rever o meu caso pela perspectiva de mais esse jornalista pisoteado pelo arbítrio estatal vigente no país.

Vamos rever o que Azevedo escreveu sobre a investida da Lava Jato contra este blogueiro em 21 de março último.

reinaldo 2

Reinaldo não me conhece. Se conhecesse, saberia que, aqui nesta página, defendi até Fernando Henrique Cardoso e Gilberto Kassab (quando era cupincha do José Serra) por terem sido alvo de baixarias da esquerda.

O mais engraçado é que sempre que eu relatava que mantive contato com Reinaldo Azevedo durante bastante tempo, travando com ele debates sobre o que ele publicava na revista do Luiz Carlos Mendonça de Barros, a Primeira Leitura, muitos duvidavam, achavam que era invenção.

Sim, minha relação com Reinaldo era cortês. E até divertida. Certa feita, trocamos acho que uma dezena de e-mails até ele se dar por vencido no debate que travamos sobre a falta de isenção da grande imprensa e, assim, oferecer-me espaço em sua revista para eu manifestar minha posição.

Obviamente que declinei do convite, dizendo a ele que não tinha nada a dizer ao tipo de gente que lia a Primeira Leitura.

Mas o jornalista se enganou quando se queixou das críticas que venho lhe fazendo desde meados da década passada, quando a Veja o contratou.

Azevedo diz que eu o insultava. Não eram insultos, era inconformismo com a desgraça que ele estava ajudando a implantar no Brasil e que terminou por vitimá-lo. Esses cretinos que hoje ele chama de “direita xucra” foram criados por ele.

O termo “petralha”, essa tese odienta que envenenou gente de mente curta e língua comprida, ajudou a criar o caldo de cultura que exalta um bando de esbirros de uma ditadura policialesca que congrega setores do judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal, sem falar nos grupos de mídia e em partidos que, tal qual Azevedo, já começam a entender que o arbítrio nunca se basta, sempre quer mais.

Pobre Reinaldo Azevedo. Não sabia o que estava fazendo. Tão erudito, não estudou a história mais recente do país no capítulo dedicado a Carlos Lacerda, quem, como o agora ex-colunista da Veja e ex-apresentador da Jovem Pan, achou que poderia se dar bem com o arbítrio até descobrir o mesmo que seu herdeiro político-ideológico.

Lacerda, para quem não sabe, foi um jornalista e político de direita que pediu e ajudou a implantar a ditadura militar no Brasil de 1964.

Em novembro de 1966, porém, descobriu que ditaduras só são boas para os ditadores e lançou a Frente Ampla, movimento de resistência ao regime militar (1964-1985), que seria liderada por ele com seus antigos opositores João Goulart e Juscelino Kubitschek.

Lacerda foi cassado em dezembro de 1968 e levado preso para um Regimento de Cavalaria da Polícia Militar. Morreu vítima de infarto no miocárdio.

Reinaldo, como Lacerda, vibrou com o golpe, vibrou com a Lava Jato até que esta começasse a chegar perto do grupo político que ele integra, ou seja, a eterna aliança demo-tucana.

Reinaldo também é muito ligado a Gilmar Mendes e José Serra, além de Aécio Neves.

A Lava Jato havia grampeado a irmã de Aécio e flagrou uma conversa dela com Reinaldo. Uma conversa sem maior importância, mas na qual ele criticou a Revista Veja por ter publicado capa atacando o tucano.

Reinaldo fez na ligação o que vem fazendo publicamente. Nada havia contra ele. Foi uma vergonha o que a Lava Jato fez. Divulgou a gravação para o jornalista perder o emprego.

A Lei 9.296/1996 regula o uso de interceptações telefônicas em processos e determina que a gravação que não interessa à produção de provas em processo deve ser destruída. É o caso da gravação que a Lava Jato divulgou para prejudicar Azevedo.

Reinaldo diz que me defendeu mesmo sem eu merecer e que defendeu Lula do arbítrio porque é o que manda o Estado de Direito.

Perdoe-me, Reinaldo, não quero tripudiar, mas você precisa refletir que ninguém é bobo. Todo mundo sabe que você me defendeu, defendeu Lula e começou a criticar a Lava Jato porque sabia que a batata do seu grupo político estava assando.

Espero que não haja nada de mais grave envolvendo Reinaldo. E até acho que não vai haver.

Minha percepção é a de que a divulgação dessa gravação foi uma vingançazinha da Lava Jato por Reinaldo criticar a operação policialesca que está fazendo mais mal do que bem ao Brasil, pois, apesar de pegar alguns corruptos, está acabando com a economia e criando uma perigosa horda fascista que não se sabe aonde vai parar.

Reinaldo, espero que você tire uma lição de tudo isso. E espero que em seus novos empreendimentos use sua inteligência prodigiosa, seu português castiço, prazeroso de ler, para ajudar a desfazer o mal que você mesmo fez ao criar esses zumbis fascistas que acabaram se voltando contra o seu criador.

Boa sorte, Reinaldo. De coração.

*****
Fonte:http://www.blogdacidadania.com.br/2017/05/a-vingancazinha-da-lava-jato-contra-reinaldo-azevedo/

 

10 pontos para entender como funciona a mídia brasileira

22.05.2017
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 
Por Carlos Motta, GGN

10 parágrafos para entender como funciona a imprensa brasileira, que teve — e tem — um relevante papel nesta tragédia que se abateu sobre o Brasil

entender funciona mídia imprensa comunicação brasileira

Uns poucos parágrafos para entender como funciona a imprensa brasileira, que teve – e tem – um relevante papel nesta tragédia que se abateu sobre a nação:

1 – Não existe jornalismo imparcial. Todos os jornalistas, sem exceção, têm lado, têm time, têm preferências, têm preconceitos, porque são humanos, não robôs;

2 – Todos os jornalistas que cobrem política sabem, há muito tempo, que esse bando que tirou a presidenta Dilma do Palácio do Planalto é formado por escroques da pior espécie. Se ninguém nunca fez uma mísera reportagem, escreveu uma linha sequer sobre as negociatas desses parlamentares é porque, de certa forma, estiverem aliados a eles, e não porque desconhecessem os crimes;

3 – O mercado financeiro pauta o noticiário econômico, “sugerindo” pautas, colocando profissionais 24 horas à disposição dos repórteres, divulgando “análises” e convidando a moçada para cafés da manhã, almoços e jantares nos lugares mais em moda;

4 – O mercado empresarial de comunicação é oligopolizado. Poucas empresas, familiares, controlam a informação, ou seja, dezenas de milhões de brasileiros leem, escutam e veem aquilo que algumas dezenas de pessoas permitem e querem;

5 – Não existe, nunca existiu, e provavelmente nunca existirá, no Brasil, liberdade de imprensa. Nenhum jornalista apura e publica a notícia que deseja, a reportagem dos seus sonhos, apenas aquela que o seu chefe ordena que saia;

6 – Embora os jornalões tenham páginas exclusivas para seus editoriais, a opinião do dono se espalha por quantas notícias forem necessárias, às vezes de maneira sutil, às vezes abertamente;

7 – A imprensa brasileira é comercial, ou seja, os grandes – e até mesmo médios e pequenos – anunciantes têm voz forte naquilo que é publicado;

8 – Conheci poucos jornalistas com formação intelectual sólida ou mesmo que dominassem medianamente a língua portuguesa. Em geral tinham pouca leitura, quase nenhum interesse por artes e ciências, e exibiam, quando muito, uma cultura de almanaque. Vários adoravam um “jabá” (presentes de empresas e corporações) e se iludiam com a proximidade exibida por suas fontes – eram ingenuamente usados por elas;

9 – O jornalismo brasileiro é tecnicamente indigente, não por escassez de recursos, mas por ter chefias incompetentes e patronais;

10 – É improvável que exista lugar menos democrático que uma redação. Reuniões de pauta são apenas uma formalidade. Os repórteres são obrigados a cumprir ordens, mesmo que absurdas ou aéticas. Se não obedecerem, serão demitidos sem dó nem piedade.

*****
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/05/entender-funciona-midia-brasileira.html

Enquete da revista Veja sobre greve geral tem resultado surpreendente

27.04.2017
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 26.04.17

Revista Veja faz enquete sobre greve geral da próxima sexta-feira (28) e se surpreende com o resultado. O portal UOL, que pertence ao grupo Folha, também teve resultado indigesto em sua enquete para a mesma questão

enquete VEJA UOL greve geral
(Imagem: Enquetes da Veja e do UOL, respectivamente)
A revista Veja e UOL, portal que pertence ao grupo Folha, colocaram no ar enquetes com questionamento sobre a greve geral que será realizada em todo o Brasil na próxima sexta-feira (28).

Nas duas enquetes, a ampla maioria das pessoas que votaram é favorável à paralisação.

O curioso é que as duas páginas, sobretudo a revista Veja, são morada de leitores com perfis conservadores e que costumam proferir a já propalada afirmativa de que ‘greve é coisa de vagabundo’.

Acontece que o objetivo de Michel Temer de mexer com a aposentadoria e com os direitos dos trabalhadores parece desagradar pessoas de todos os espectros políticos e ideológicos.

A enquete de Veja já recebeu quase 50 mil votos nas cerca de dez horas em que está no ar. Até o fechamento deste texto, 75,7% são favoráveis à greve geral e 24,3% são contra. Só há essas duas opções para votar.

No portal UOL, por sua vez, a enquete já soma 32 mil votos. Até o momento, 57,4% são favoráveis e 41,1% são contra a greve de sexta. Os que ainda não têm opinião formada são 1,4%.

Greve Geral

A greve geral marcada para a próxima sexta-feira (28) vai parar todo o Brasil contra as reformas da Previdência e trabalhista do governo Michel Temer (PMDB).

Confira aqui quais são as categorias profissionais que já confirmaram que vão parar as atividades no seu estado.

*****
Fonte:

Datena e Junho de 2013, Veja e Greve Geral

27.04.2017
Do BLOG DO MIRO
Por Renato Rovai, em seu blog:

Um dos marcos de que as manifestações de junho de 2013 não eram algo de grupelhos, mas que tinham apelo popular foi uma enquete realizada pelo apresentador Datena, na TV Bandeirantes.

Ele perguntou se as pessoas eram favor ou contra os atos contra o aumento da passagem de ônibus, os famosos 20 centavos. E sua audiência começou a votar que sim.

Do alto de sua arrogância, Datena xingou todo mundo e mandou a produção modificar a questão pois, no seu entendimento, o público não havia entendido a pergunta.

E tomá-lhe pau. As pessoas continuaram apoiando.

E o apresentador teve que engolir aquele sapo.

Hoje, foi a Veja.

A revista dos Civitas realizou uma enquete para desmoralizar a Greve Geral, achando que sua bolha iria votar em peso contra o movimento.

E, danou-se. Mesmo na sua bolha.

No momento em que Fórum fez essa matéria, 73% dos votantes apoiavam o movimento.

A Greve Geral pode surpreender muita gente, incluindo os que a estão convocando.

O saco cheio do povo é maior do que se imagina. E não é de se descartar que a Greve Geral desencadeie algo próximo de um novo Junho de 2013.

Só que dessa vez à revelia da Globo. E também contra a Globo. Que defende as reformas.

Sei que parece delírio. Mas a enquete da Veja de hoje diz muito mais do que qualquer análise de redes. Como a enquete do Datena também disse muito sobre o que a opinião pública pensava naquele momento.
*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/denuncias/camara-aprova-fim-dos-direitos-trabalhistas-no-brasil-e-da-clt-veja-quem-sao-os-traidores.html

Janio de Freitas: Por atingir Serra, Temer e Padilha, Moro emperra a delação da Odebrecht

11.08.2016
Do blog VI O MUNDO

serra, moro, temer, odebrechet

Discussão entre Lava Jato e Odebrecht leva a impasse

por Janio de Freitas, na Folha de S. Paulo

A discussão entre dirigentes da Odebrecht e a Lava Jato, sobre um acordo de delação premiada, encontra dificuldades resistentes de parte a parte. A ponto de ser admitida a hipótese de uma situação nova e de decorrências imprevisíveis, com a mais importante das empreiteiras e os métodos da Lava Jato postos em xeque.

Há um mês, Sergio Moro e os procuradores divulgaram que só aceitariam mais um “acordo” de delação. Havendo, porém, duas empreiteiras a discuti-lo, era já um degrau mais alto nas pressões contra as dificuldades de dobrar a Odebrecht e a OAS, nas pessoas de Marcelo Odebrecht e Léo Pinheiro. Nem por isso os dois saíram correndo para conceder o que lhes é exigido, na concepção de preço que a Lava Jato arbitra, sem parâmetros prévios, e submete à aprovação do STF.

Marcelo Odebrecht está preso em Curitiba há um ano e dois meses, a se completarem na próxima semana. Aguardou quatro meses para a primeira e breve inquirição. Só na semana passada foi ouvido pela primeira vez no grupo de procuradores, como noticiado pela Folha. Léo Pinheiro recebeu outra pena. Os ex-diretores da Petrobras, que agiram com várias empreiteiras, estão em suas casas de férias em Itaipava e Angra dos Reis, e em edifícios luxuosos de Ipanema e Leblon.

O impasse entre a Lava Jato e a Odebrecht deixou bem caracterizado o seu início: os vazamentos da força-tarefa curitibana de repente arrefeceram, e logo sumiram mesmo por largo tempo. As informações propostas pela Odebrecht, para análise da possível delação, davam rumo diferente à temática da Lava Jato: entrevam lideranças do PSDB, governo paulista, Michel Temer e PMDB, enfim, muitos daqueles que, se mencionados em depoimentos distantes, foram entregues depressa aos resguardos do silêncio.

A Lava Jato nada foi verificar ou quis descobrir nesses veios da corrupção, como sabem, não o digam ou digam o contrário, os que têm as informações básicas sobre o que se passa lá e nas adjacências. A confluência de novos citados e o sumiço de vazamentos faz parecer a existência de uma contradição nessa fase da Lava Jato, em cobrar mais delações e desprezar delações a mais do que o esperado ou desejado.

Só há quatro dias um assunto da nova temática apareceu, com a revelação da Folha, pela repórter Bela Megale, de que dirigentes da Odebrecht informaram a Lava Jato sobre doação “por fora” de R$ 23 milhões (hoje, R$ 54,5 milhões) “à campanha” presidencial de José Serra em 2010.

Além daquele montante, haveria ainda R$ 2,4 milhões (R$3,6 milhões de hoje) doados por meio do Comitê Financeiro Nacional da Campanha, portanto, legais em princípio.

Parte daquele montante anterior foi depositada no exterior. E aí há, digamos, um equívoco. Partido não precisa de dinheiro no exterior, o que até exige complicadora remessa para o Brasil. Depósito no exterior indica como destino, não campanhas, mas bolsos e contas pessoais, mesmo se encobertas por terceiros.

Ainda no ramal novo, o aparecimento de Michel Temer e Eliseu Padilha, se bem que citados por “Veja”, traz delicada contribuição para o seu governo. Não foi por casualidade destoante que a composição do ministério encheu-se de pendurados na Justiça e estrelas das citações a jato. Pode-se agora deduzir afinidades a conduzirem as escolhas. No fundo, é de fato o mesmo grupo do PMDB e da Câmara. O governo montado por Temer tem unidade, pois. De cima a baixo.

Nem mesmo é casual a proteção que Michel Temer e seus aliados proporcionam a Eduardo Cunha para protelar sua cassação, já adiada, e agora marcada para 12 de setembro.

*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/politica/janio-de-freitas-por-atingir-serra-temer-e-padilha-moro-emperra-a-delacao-premiada-da-odebrecht.html

MANIPULAÇÃO DA MÍDIA GOLPISTA:Propinas de Temer e Serra não duram mais que 24 horas nas manchetes

10.08.201
Do blog TIJOLAÇO
Por Fernando Brito

capas

De sexta para sábado, a Veja publicou – lá com os eufemismos dela, mas publicou – que a delação premiada de Marcelo Odebrecht informava que Michel Temer tinha pedido R$ 10 milhões à empreiteira e que o dinheiro foi entregue em espécie: R$ 6 milhões Paulo Skak, candidato ao Governo paulista e R$ 4 milhões a Eliseu Padilha, homem de confiança do hoje presidente em exercício;

De sábado para domingo, a Folha publicou que a mesma delação trazia a informação que o senador e agora chanceler brasileiro apanhou,por fora, valores que hoje representam cerca de R$ 32 milhões, além do que foi doado oficialmente?

Convenhamos, não são notícias irrelevantes.

Fossem acusações a Lula ou Dilma  seguiriam nas manchetes e estariam ocupando páginas e páginas.

Mas, para confirmar a seletividade da nossa mídia, os três principais jornais do país, 24 horas depois, já “esqueceram” do assunto em suas primeiras páginas. Mesmo nas páginas internas, quase nada.

Os jornais e a mídia brasileira em geral caíram ao nível da cumplicidade com o crime, enquanto se arrogam paladinos da moral e da honradez.

A sabujice em relação aos novos donos do poder vai aprofundar a crise em que estão metidos.

Afinal, para que comprar um jornal ou assiná-lo digitalmente se ele não traz notícias?
****
Fonte:http://www.tijolaco.com.br/blog/propinas-de-temer-e-serra-nao-duram-mais-que-24-horas-nas-manchetes/